Pecado e mal

Você pode fornecer uma explicação espiritual do pecado e do mal?

O guia: Seu mundo na Terra, como todos sabem pelas palestras e ensinamentos que receberam, é um mundo de irrealidade. Você pode chamá-lo de uma realidade temporária. As coisas que você experimenta, as deduções que você faz com a lógica superficial do intelecto, que ignora a verdade espiritual e absoluta, são falhas.

Eles têm um valor e uma verdade limitados, como as conclusões erradas da alma feitas pela criança, que se aplicam corretamente a uma situação particular. Eles têm sua própria lógica peculiar, por mais limitada que seja. No entanto, essas conclusões são erradas e irrealistas se aplicadas como uma verdade geral da vida.

A mesma relação existe entre as conclusões e deduções que o intelecto forma corretamente, conforme aplicado às circunstâncias temporárias de certas condições nesta vida no plano terrestre, e as leis espirituais da realidade absoluta onde essas mesmas deduções e conclusões estão erradas.

O pecado, como todos sabem, nada mais é do que ignorância. É uma distorção. Ninguém é perverso, mau ou malicioso porque gosta disso por si mesmo. Uma pessoa pode ser tudo isso porque pensa erroneamente que isso lhe serve de proteção. Quanto mais você se analisa e se compreende, mais descobrirá que isso é verdade no seu caso e, portanto, deve ser verdade também para os outros.

Portanto, quando as pessoas se comportam negativamente, você não se sentirá mais assustado ou pessoalmente envolvido. Isso não vai mais causar sofrimento a você. Isso pode parecer impossível, mas é verdade. Quando uma pessoa eleva sua consciência e percebe indícios da verdade absoluta, ela então percebe que não existe mal, maldade, pecado, malícia. Tudo isso prevalece apenas enquanto você viver nesta esfera terrestre, com a visão limitada causada por suas próprias distorções.

Assim que você se elevar acima desse estado de erro, verá que todo o mal neste plano nada mais é do que uma arma defensiva, ou melhor, uma arma pseudo-defensiva, pois na realidade tem o efeito oposto. Depois de compreender o motivo do mal e do pecado, você não o tem mais, não se sente mais pessoalmente em risco e, portanto, perde o sentido de sua realidade. Todos vocês estão a caminho de experimentar essa verdade, pelo menos até certo ponto.

Quando você encontrar e dissolver suas próprias conclusões erradas, nada mais o impedirá de amar e ser livre. Você então remove a parte em você que estava nas trevas, que era egoísta e sem amor por causa das conclusões erradas. Onde você encontrou e removeu o erro, você tem um verdadeiro conceito de realidade, você pode amar sem medo e, portanto, você vive sem pecado, se quiser usar esta expressão.

O mal e o pecado são produtos de um mundo ilusório que existe apenas enquanto você vive na ilusão, mas eles não têm realidade absoluta. No momento em que você eleva sua consciência, você está livre da ilusão; não tem mais realidade alguma. Mesmo quando você vê o erro nos outros, com esta consciência elevada, você verá através dele, compreenderá seu significado e sua origem, e assim perceberá seu efeito muito temporário. Na verdade, o erro ou pecado não tem efeito algum sobre a realidade; afeta apenas aqueles que ainda vivem na irrealidade, enquanto vivem nela.

 

Por que todos os ensinamentos espirituais do passado falam de pecado em vez de doença ou neurose?

O guia: Porque não faz diferença. É o mesmo. Basta olhar para trás na história e você verá como as pessoas desprezavam o doente tanto quanto o pecador. Pessoas doentes foram condenadas ao ostracismo. Só recentemente é que isso mudou. Somente depois que essa mudança ocorreu, tornou-se importante não enfatizar tanto o pecado e o mal para desencorajar o desprezo e a arrogância.

Até muito recentemente, os loucos eram considerados criminosos. E pode levar algum tempo até que as pessoas parem de desprezar os outros por serem problemáticas, doentes, neuróticas ou espiritualmente menos desenvolvidas. Portanto, esta é uma questão de desenvolvimento geral da humanidade e sua perspectiva, e não uma questão de semântica.

É uma questão de julgar e desprezar os outros, ao invés de compreender, amar e ajudar. Embora doença e pecado sejam o mesmo, a pessoa com percepção limitada desprezará ambos, enquanto a pessoa com maior capacidade de percepção compreenderá e ajudará e não se sentirá superior.

Pecado e doença são o mesmo, mas o que conta é como você reage a eles, não que palavra você usa. Não importa qual palavra você use, ela será distorcida se sua percepção interior for limitada. E quando sua percepção interior atinge seu potencial máximo, de acordo com sua própria capacidade, a palavra não será mal utilizada. Ou melhor, independente da palavra que você usar, o sentimento estará certo.

 

O mal é uma condição que resulta de uma queda real da graça? E qual é sua relação com Lúcifer no Antigo e no Novo Testamento?

O guia: Eu discuti muitos fatores do que constitui o mal. A palavra “graça” pode, é claro, ser interpretada de muitas maneiras. A forma como eu interpretaria seria que a graça é o verdadeiro estado de ser em que todo o bem universal, todas as forças e poderes nas formas mais abundantes são propriedade de cada indivíduo.

Cair da graça significa nada mais nada menos do que não saber disso, ignorar esse fato e buscar a solução e a salvação de uma maneira distante, enquanto a verdade está lá o tempo todo.

A cegueira está em complicar mais e ignorar a verdade, que é: é tudo seu; você não tem que implorar por isso; você não precisa nem mesmo lutar por isso. Tudo o que você precisa lutar é contra sua própria cegueira e suas próprias distorções, que o fazem temer a verdade e o fazem se apegar à infelicidade e à mentira. Isso seria cair em desgraça. Uma vez que isso seja claramente entendido, muitos outros erros podem ser evitados.

Quanto à sua questão dos poderes e personificação luciféricos e da alegoria e tudo isso. Isso, é claro, é inteiramente uma questão de compreensão e consciência. Aquele que ainda está profundamente envolvido em sua separação, em um conceito dualista de vida, não pode conceber a unidade do ser, o que significa que tudo está nele. Isso significa, não apenas o que eu disse antes - a saber, que todo o bem está no homem - mas também significa que o mal que recai sobre o homem de fora também está nele.

Quanto mais o homem está nesse caminho, mais ele compreende esse fato. Vocês, por exemplo, meus amigos, aprendem aos poucos, e aos poucos, que o que os incomoda de fora é realmente um reflexo de algo que está dentro de vocês. Você não tem mais dificuldade com nada além disso, pois não importa o quanto você ouça essas palavras, você sempre e continuamente as esquece, e atribui miséria e contenda a fatores externos a você, a algo que está errado fora de você.

Nada poderia perturbá-lo, não importa o quanto pareça vir de fora, exceto o que está dentro de você. O exterior é apenas um reflexo ativado por seus próprios poderes correspondentes. O mesmo se aplica ao prazeroso. A incapacidade do homem de compreender isso separa-se do universo, da vida, da Criação, dos acontecimentos e da experiência. Portanto, ele personaliza os fatores externos e até dá um nome a esses fatores externos. Quanto mais ele se desenvolve, menos o homem será tentado a fazer tal coisa.

Próximo tópico
Voltar para Índice analítico

Conheça as Palavra-chave, um e-book gratuito com as perguntas e respostas favoritas de Jill Loree do Pathwork Guide.
Visite Phoenesse para um Visão geral do trabalho de cura, conforme ensinado pelo Pathwork Guide.

Compartilhe