Marketing

QA238 PERGUNTA: Nas últimas duas semanas, tenho trabalhado com alguém no folheto Pathwork. Esta manhã todas as fotos e impressões ampliadas foram roubadas do meu carro. Foram os únicos itens roubados do carro, apesar de todo o veículo estar em estado de quase total desordem. Tenho essa sensação de dor e frustração e uma sensação incômoda de culpa e responsabilidade; e de alguma forma não consigo fazer nenhuma conexão específica.

RESPOSTA: Em primeiro lugar, eu diria a você que essa culpa persistente sempre existe em você, não importa o que aconteça, não importa o que você faça. E é, claro, um dos principais obstáculos em sua vida. É extremamente importante - e digo isso antes de responder diretamente à pergunta sobre a dinâmica desse incidente, ao qual irei abordar em um minuto - que você comece a ver sua culpa como o problema que é. E ore ativamente para se livrar disso.

Em breve vou dar uma palestra [Aula # 240 Aspectos da Anatomia do Amor: Amor Próprio, Estrutura, Liberdade] sobre a importância de se amar e sobre a complexidade de enfrentar o eu inferior e ainda assim amar a si mesmo, e como isso parece ser difícil para vocês, seres humanos.

Você fica confuso aqui. Quando você encara o seu eu inferior, isso dispara e parece justificar o seu ódio por si mesmo, de modo que quando você é chamado a amar, honrar e respeitar a si mesmo, você precisa negar a existência dos problemas, distorções e negatividades. Esse é um obstáculo muito sério contra o qual todos vocês estão lutando; todos vocês estão encontrando laboriosamente um equilíbrio.

Aos poucos, você ganha esse novo terreno onde pode se enfrentar de verdade - o que há de pior em você. Ao fazer isso, você verá que mais auto-estima surge disso. No entanto, você também precisa de auto-estima para começar, até certo ponto, a fim de amar a si mesmo. O que essa culpa significa?

Isso realmente significa que você não aceita seu estado humano falível e incompleto. Você veio com esta tarefa de purificar tudo o que está incompleto em você. Aceite e ame a manifestação divina que você é. Então será mais fácil para você ver também suas falhas sem perder o equilíbrio, sem perder o seu terreno de ser, sem perder sua divindade essencial.

Agora irei para a resposta direta e tentarei lançar um pouco de luz sobre a dinâmica que está envolvida aqui. Posso dizer que provavelmente não será completamente novo o que direi aqui. Provavelmente todos vocês, pelo menos até certo ponto, terão alguma consciência dos muitos sentimentos contraditórios que estão envolvidos aqui por todos os envolvidos.

Deixe-me enumerar alguns desses sentimentos. Existem, por exemplo, sentimentos de dúvida de que isso deva ser feito. Algumas das dúvidas têm a ver com não querer convidar mais pessoas para este Caminho. Isso te assusta; isso o deixa pouco à vontade e desconfortável. Então, há outro elemento nesta dúvida sobre a publicação deste documento, esta brochura, como você a chama.

Como, é claro, ainda existe uma quantidade considerável de ego e orgulho envolvidos no que você deseja apresentar, você tem vergonha desse orgulho. Nessa vergonha, você perde a visão e então acredita que fazer isso deve ser uma coisa orgulhosa e egoísta.

Agora, esse pensamento pode não estar tão claro em sua mente, mas há de alguma forma uma vaga sensação de relutância, constrangimento, hesitação ou até mesmo culpa por fazer isso em primeiro lugar - como se o centro fosse culpado desse orgulho, simplesmente fazendo isso. Você está se esquecendo de que algo pode não ser algo ruim, embora motivos negativos também possam fazer parte disso.

Outro aspecto dos sentimentos negativos aqui são os fortes e ainda existentes sentimentos de transferência que criam muitas emoções contraditórias. Por um lado, você quer provar às figuras de autoridade o quão bom você é, o quão realizado você é, que você realmente sabe algo que eles não sabem agora. Você quer provar que é superior.

Junto com isso, há sentimentos de competição entre si. Junto com esse sentimento de necessidade de impressionar as figuras de autoridade - visto que são tão importantes para você - você também tem, é claro, e isso não é novidade, sentimentos de ódio por elas. Você não quer dar a eles. Você quer retê-lo deles. Onde você sente que tem o poder de dar algo a eles, você deseja puni-los não dando a eles.

Você dá a eles esse poder porque deseja que eles dêem algo a você. E falo com todos vocês que estão envolvidos aqui. A importância que você dá a eles o torna também muito crítico em relação a eles. E na criticidade, então você deve temer que eles sejam igualmente críticos com você, com o que você apresenta.

Portanto, você pode ver a partir deste breve esboço dos sentimentos conflitantes, quão envolvidos, quão complicados e quão potentes são as correntes subjacentes que podem quase fazer você desejar - e faz você desejar, pelo menos até certo ponto - que isso nunca venha, para que você seja poupado de todas as coisas que teme: que você não seja bom o suficiente; que o outro seja melhor; que você será criticado; que você será julgado como orgulhoso; que atrairá muitas pessoas se for bom; e se for ruim, você não pode suportar as críticas que podem surgir disso.

Então aqui você causa um curto-circuito. Você cria uma contracorrente que paralisa o fluxo. Agora, isso não é tudo que há para fazer. Claro, também há contribuições muito criativas e positivas e isso é manifesto. Mas atrasos, frustrações e barreiras que você encontra são completamente o resultado do desejo de que você não teria que fazer isso.

Talvez não seja tão difícil para você entrar em contato e tomar consciência de alguns desses pensamentos. Posso não dizê-los exatamente da maneira como você os pensa, mas é, mais ou menos, isso. Está claro?

PERGUNTA: Muito obrigado, sim.

RESPOSTA: Agora, talvez eu possa acrescentar aqui que você pode ajudar muito, não apenas o projeto, mas quaisquer que sejam seus próprios problemas na vida, fazendo essas conexões, tornando-se consciente desses sentimentos, pensamentos e desejos e, em seguida, abandonando-os , deixando tudo ir.

Isso pode ser feito facilmente com uma meditação ou compromisso ou oração que se entregue completamente à vontade de Deus, àquilo que é melhor, desistir do envolvimento do ego pessoal com todos os seus vários e contraditórios objetivos, motivações e desejos, e apenas permitir que a divindade interna assuma o controle e se esqueça dos riscos pessoais do ego. Quanto mais você fizer isso, mais suave tudo ficará.

Desista do orgulho pessoal de provar, criticar, expectativas, competições e todas essas coisas, não importa o quanto você as racionalize. Entregue-se à vontade divina e deixe-a vir da fonte interior. Esse é o meu conselho. Também digo que a bênção para este empreendimento está aqui para você e você perceberá a bênção na medida em que decidir colocar essas barreiras de lado. Quanto menos o seu ego pessoal estiver envolvido, mais feliz e mais abençoada será a sua atividade, sua participação nisso. Essa é a minha resposta.

PERGUNTA: Tenho uma pergunta em relação ao que acabei de dizer. Você pode me dizer qual é o propósito de tal brochura?

RESPOSTA: Isso não é bastante óbvio? {Não} Acho que você não saber a resposta realmente implica uma enorme barreira em você, porque a resposta é realmente muito óbvia. Quando as pessoas interessadas querem saber, devem saber o que é - muito claro, muito simples. Não deve ser mantido em segredo e, ao mesmo tempo, não deve ser imposto a ninguém.

Mas aqueles que vêm naturalmente para este Caminho, que são guiados para ele, que anseiam por ele, devem ser apresentados com uma visão clara. O fato de você não saber ou compreender essa coisa óbvia implica muitos bloqueios em você que estão puramente na mente e que também implicam em uma distorção em você. Seria muito melhor se você pudesse perguntar sobre suas próprias distorções, ou vê-las e apresentá-las para que você possa receber ajuda.

Próximo tópico

Compartilhe