A Bíblia | Geral

8 COMENTÁRIOS DO GUIA: Quanto às maiores questões existenciais da Criação, você terá a atitude certa se compreender que saber as respostas plenamente não é tão importante. Espere com humildade até que o conhecimento se torne acessível, até que você tenha progredido o suficiente para merecê-lo.

Simplesmente siga a Bíblia: “Teste tudo e mantenha o que é bom”. Aceite calmamente o que serve à vontade de Deus. Aceite a mensagem com atitude humilde e pacientemente desapegada, sem querer saber tudo de uma vez.

 

22 PERGUNTA: Por que o nome Lúcifer, que significa portador da luz, foi dado para o poder satânico? Onde está sua origem escriturística?

RESPOSTA: O nome Lúcifer não foi dado a este espírito depois que ele se tornou o que você chama de Satanás. Esse era o seu nome quando foi criado como um espírito de luz. E como você sabe, Lúcifer veio depois de Cristo. Ele era um espírito maravilhoso e belo - o portador da luz. Esse nome se origina dessa época. Onde você pode encontrá-lo nas Escrituras é uma pergunta que não tenho o direito de responder, porque, como você sabe, um espírito não tem o direito de responder a perguntas que você poderia descobrir por seus próprios esforços.

 

24 PERGUNTA: Os discípulos de Jesus são poderes que não precisam reencarnar novamente e representam de forma simbólica os aspectos psicológicos dos tipos humanos?

RESPOSTA: Existem duas perguntas aqui. À primeira pergunta eu digo: há alguns entre os discípulos que não precisam mais voltar e alguns outros que sim, mas eles estão muito desenvolvidos agora e têm grandes tarefas a cumprir nesta terra. Rogo-lhes explicitamente, meus amigos, que não me perguntem qual dos discípulos não precisa mais reencarnar e qual deles pode estar vivo agora. Tenho razões muito boas, razões particulares, pelas quais não quero discutir isso. E não é importante para o seu desenvolvimento saber disso.

No que diz respeito aos aspectos psicológicos, eu gostaria de dizer o seguinte: a Bíblia inteira, tanto o Antigo quanto o Novo Testamento, podem ser interpretados em muitos níveis. O nível mais baixo seria o histórico. Existem, é claro, muitos erros e muitas omissões, historicamente, que devem ser esperados. Depois, há o nível de espiritualidade e simbolismo - o nível que você pode chamar de metafísico. E existe - e este é, talvez, o mais útil para os seres humanos em seu atual estado de desenvolvimento - o nível psicológico.

Pois tudo que é mencionado nas Sagradas Escrituras também tem este nível, além dos demais. Um nível não exclui a validade do outro. E embora muitas das personalidades nas Escrituras fossem pessoas reais - não todas elas, mas muitas delas - elas, ao mesmo tempo, representam aspectos psicológicos. Devido à existência desses diferentes níveis simultaneamente, as Sagradas Escrituras são um documento magnífico, notável e único.

O significado pode ser encontrado em cada um desses planos. É inconcebivelmente “engenhoso” - escolher essa palavra - ter a Bíblia construída dessa maneira. Você nunca saberá com que força e recursos o Mundo Espiritual de Deus ajudou ativamente a criar esta maravilha, já prevendo os muitos erros humanos que inevitavelmente ocorrerão com o passar do tempo.

Apesar desses erros, a Bíblia é algo que nunca foi duplicado. Mas existem pouquíssimas pessoas, de fato, que entendem a Bíblia desse ponto de vista. Muitos percebem um nível, talvez alguns até dois níveis, mas dificilmente há uma pessoa que possa compreender todos os níveis contidos nele.

 

25 PERGUNTA: Eu gostaria de perguntar algo a respeito da queda dos anjos. Em Isaías é dito que Deus criou o bem e o mal. Deus criou as forças do mal e os poderes luciféricos também?

RESPOSTA: Isso é um grande erro, e você vai entender isso agora, quando eu te lembrar de uma das últimas palestras, The Fall [Aula # 21 A Queda], que explica como esse erro pode ter acontecido. Você se lembrará de minha explicação de que Deus criou o poder que deu a cada um de seus espíritos criados. Esse poder pode ser usado de qualquer maneira, dependendo do livre arbítrio do espírito individual.

Isso explica por que ou como esse erro pode ter ocorrido. É tecnicamente correto dizer que Deus criou o mal, mas seria mais correto dizer que Deus criou a possibilidade para o mal se com seu livre arbítrio as pessoas - ou espíritos - usassem esse poder contra a lei divina.

 

34 GUIA COMENTÁRIO: Falemos primeiro sobre os aspectos físicos do ser humano a encarnar. Os genes parentais são feitos para corresponder e afetar a estrutura física. Nesse ínterim, a entidade que vai nascer está crescendo no corpo da mãe de tal forma que suas necessidades cármicas físicas podem ser satisfeitas.

Não há coincidência possível. Nada é deixado por sua própria conta. E quando está escrito na Bíblia que Deus contou cada fio de cabelo de sua cabeça, não é exagero, meus amigos. Você deve entender neste sentido.

Pois cada menor detalhe tem que corresponder, porque tem um significado - um significado e significado muito mais profundos do que você pode imaginar. O simbolismo não funciona da maneira que a humanidade pensa. É principalmente o contrário. Seus corpos são freqüentemente símbolos de uma forma ou de outra de seu desenvolvimento espiritual, tendências psicológicas e assim por diante. Mas cuidado com as regras e generalizações aqui. Não há nenhum.

 

49 PERGUNTA: Minha pergunta é sobre Jó. Por quais falhas ou deficiências em sua vida ele foi feito para sofrer tanto?

RESPOSTA: Por falta de auto-reconhecimento e auto-engano por orgulho e medo. Havia nele uma impaciência por já ser perfeito - uma impaciência ligada ao orgulho espiritual. Ele usou seu desejo do bem para suprimir seus instintos básicos, em vez de enfrentá-los com coragem e sinceridade.

PERGUNTA: É verdade, como alguns intérpretes dizem, que ele se apresentou como o patriarca que merecia toda a graça de Deus - em outras palavras, que ele era hipócrita?

RESPOSTA: Sim, isso é orgulho. Havia orgulho a esse respeito, mas também em outros aspectos. E ele manifestou extrema obstinação. Sua obstinação já queria estar em um ponto que só o trabalho árduo e a humildade do auto-reconhecimento podem atingir.

 

52 GUIA COMENTÁRIO: Na Bíblia é dito que você não deve criar uma imagem de Deus. A maioria das pessoas acredita que esta afirmação significa que você não deve fazer um desenho ou uma estátua de Deus. Mas isso não é de forma alguma todo o sentido.

Se você pensar sobre esta declaração um pouco mais profundamente, chegará à conclusão de que isso não pode ser tudo o que está implícito neste mandamento. Você agora deve perceber que isso se refere à imagem interna. Você ainda está tão envolvido em suas próprias conclusões erradas e em suas impressões irracionais que provavelmente terá uma imagem interior de Deus, bem como de todos os outros assuntos que são mais importantes em sua vida.

As crianças vivenciam seu primeiro conflito com a autoridade bem cedo. Falei longamente sobre isso. Eles também aprendem que Deus é a autoridade máxima. Portanto, não é surpreendente que as crianças projetem suas experiências subjetivas com autoridade em suas imaginações sobre Deus. Uma imagem é formada, e qualquer que seja a relação da criança - e mais tarde do adulto - com a autoridade, sua atitude para com Deus será, muito provavelmente, colorida e influenciada por ela.

 

72 PERGUNTA: A palavra “medo” foi mencionada várias vezes esta noite. E você usou as palavras "medo irracional e infundado". Isso me leva a acreditar que deve haver um medo racional e fundado. Somos ensinados aqui, por exemplo, que o medo tem uma conotação negativa e representa uma emoção destrutiva. E então lemos nas Escrituras que “o temor do Senhor é o princípio da sabedoria”. E também, no Zohar (Livro do Esplendor), há uma comparação de "amor e temor de Deus com as asas do pássaro". Será que você poderia falar um pouco sobre esses dois tipos de medo?

RESPOSTA: Essas são duas perguntas distintas. A resposta para a primeira, sobre o medo racional versus o irracional, é esta: se você está em algum tipo de perigo, sua reação ao medo é saudável. É como um sinal, dando a você a oportunidade de fazer algo a respeito, de se salvar do perigo. Em outras palavras, é construtivo ao invés de destrutivo. Sem este sinal de perigo, você seria destruído. Isso é decididamente diferente dos medos psicológicos, doentios e destrutivos que geralmente discutimos em nosso trabalho.

Quanto ao temor de Deus, isso não tem absolutamente nada a ver com o medo protetor saudável que acabamos de discutir. Qualquer referência ao temor de Deus nas Escrituras é devido a traduções em um nível errado e superficial. Mas as razões mais profundas, por que tais traduções erradas podem ocorrer nesta conexão particular, têm muito a ver com a imagem de Deus, bem como com o medo do desconhecido.

Por um lado, as pessoas precisam de uma autoridade forte que defenda a regra fixa, porque assim não precisam ser responsáveis ​​por si mesmas. Por outro lado, é gerado um medo doentio, o que sempre acontece quando a maturidade e a auto-responsabilidade não são atingidas. Quer você tema um Deus vingador, a vida, outros seres humanos ou a si mesmo, é tudo a mesma coisa.

Exteriormente, existe simplesmente um mal-entendido sobre certos termos da Bíblia; na realidade, a palavra "medo" significa algo bastante diferente, talvez melhor descrito pelas palavras "honra" ou "respeito". O respeito pago à mais alta inteligência, sabedoria e amor está além das palavras.

Na presença de tal grandeza ilimitada, todos os seres devem estar maravilhados - mas nunca com medo! Ao se deparar com tal maravilha, não se pode deixar de ficar pasmo. Supera todo entendimento. Essa ideia é transmitida na palavra que foi erroneamente traduzida como "medo". Mas não é assim que se pretende. Está claro?

PERGUNTA: Está claro. Gostaria de acrescentar um pensamento que está relacionado e que apóia o que você disse. Nos ensinamentos Cabalísticos relativos à palavra que nos foi dada como “medo”, a palavra hebraica é Y (I) R (A) H. Esta palavra está ligada ao nono dos Dez Sephirot (Emanações), que é indicado como "fundamento". Este é o ponto de viragem onde termina a involução e começa a evolução. Aqui está o início da ascensão em direção a Deus. A consciência de Deus é o começo da sabedoria.

RESPOSTA: Sim, é verdade.

 

90 PERGUNTA: Qual é a diferença entre moralização e retidão?

RESPOSTA: Depende de como as palavras são usadas. É uma questão de interpretação. “Justiça” é freqüentemente usada, por exemplo, nas Escrituras como fazer a coisa certa e ser bom. Mas, em tempos mais recentes, essa palavra assumiu um significado diferente para muitas pessoas. Quando o usam, pensam em hipocrisia, no próprio caráter moralizador que discuti.

Na verdade, esse uso é apropriado porque a justiça geralmente é na verdade hipocrisia, porque se origina da atitude errada que acabamos de discutir em detalhes. É uma maneira diferente de dizer que uma falsa bondade, forte, insincera, produz uma moralização contra a qual muitos se rebelam. A bondade genuína, resultante do crescimento real, nunca terá esse efeito nos outros.

 

102 PERGUNTA: A conquista do medo em Mateus é por meio da fé em Deus. Como você relacionaria isso aos nossos ensinamentos?

RESPOSTA: Como todos vocês já sabem, a fé em Deus, de forma genuína, segura, profunda e sincera, só pode existir se você primeiro tiver fé em si mesmo. Na medida em que você carece de fé em si mesmo, você não pode ter fé em Deus. Sim, você pode sobrepor isso e se enganar sobre isso, por causa da necessidade de se apegar a uma autoridade amorosa. Mas não pode ser fé verdadeira a menos que você tenha conquistado a maturidade da fé em si mesmo.

Agora, como você pode ter fé em si mesmo, a menos que você se compreenda tanto quanto possível? Enquanto você estiver confuso e tateando no escuro sobre o efeito que tem sobre os outros e o efeito que a vida e os outros têm sobre você, você ignora algumas informações vitais sobre sua própria vida psíquica. A ignorância é o resultado de sua falta de vontade interior de descobrir a verdade, uma falta de vontade que muitas vezes é inconsciente. Superar a resistência oculta fará com que você se compreenda melhor e tenha uma fé cada vez maior em si mesmo e, portanto, em Deus. Só assim você pode vencer o medo.

PERGUNTA: Parece-me que os sete pecados capitais são uma explicação mais sutil dos Dez Mandamentos, que são definitivamente baseados no medo, ou criam medo em sua aplicação.

RESPOSTA: Sim. Cada ensinamento, se mal aplicado e mal compreendido, criará medo. Um mandamento rígido, se pronunciado sem a possibilidade de encontrar as obstruções subjacentes ao cumprimento de tais mandamentos, produzirá medo e culpa e, portanto, ódio.

Hoje não é mais possível e mesmo construtivo para os seres humanos simplesmente obedecer a um mandamento em suas ações. Já que isso não é bom o suficiente, seu eu mais íntimo ficará com medo, mesmo que suas ações sejam inteiramente adequadas e em conformidade com os mandamentos. A autoridade final não está fora de você, mas embutida em sua própria psique. Há uma grande diferença entre as demandas perfeccionistas de seu eu idealizado e a vida produtiva que seu eu real deseja que você leve.

 

QA135 PERGUNTA: O mal é uma condição que resulta de uma queda real da graça? E qual é sua relação com Lúcifer no Antigo e no Novo Testamento?

RESPOSTA: Discuti muitos fatores, particularmente nas últimas palestras da última temporada, sobre o que constitui o mal. A palavra “graça” pode, é claro, ser interpretada de muitas maneiras. A maneira como eu interpretaria seria que a graça é o verdadeiro estado de ser em que todo o bem universal, todas as forças e poderes nas formas mais abundantes são propriedade de cada indivíduo.

Cair da graça significa nada mais nada menos do que não saber disso, ignorar esse fato e buscar a solução e a salvação de uma maneira distante, enquanto a verdade está lá o tempo todo.

A cegueira está em complicar mais e ignorar a verdade, que é: é tudo seu. Você não tem que implorar por isso; você não precisa nem mesmo lutar por isso. Tudo o que você precisa lutar é contra sua própria cegueira e suas próprias distorções, que o fazem temer a verdade e o fazem se apegar à infelicidade e à mentira. Isso seria cair em desgraça. Uma vez que isso seja claramente entendido, muitos outros erros podem ser evitados.

Agora, quanto à sua questão dos poderes luciféricos e personificação e a alegoria e tudo mais. Isso, é claro, é inteiramente uma questão de compreensão e consciência. Aquele que ainda está profundamente envolvido em sua separação, em um conceito dualista de vida, não pode conceber a unidade do ser, o que significa que tudo está nele. Isso significa, não apenas o que eu disse antes - ou seja, que todo o bem está no homem - mas também significa que o mal que recai sobre o homem de fora também está nele.

Quanto mais o homem está nesse caminho, mais ele compreende esse fato. Vocês, por exemplo, meus amigos, aprendem aos poucos, e aos poucos, que o que os incomoda de fora é realmente um reflexo de algo que está dentro de vocês. Você não tem mais dificuldade com nada além disso, pois não importa o quanto você ouça essas palavras, você sempre e continuamente as esquece, e atribui miséria e contenda a fatores externos a você, a algo que está errado fora de você.

Nada poderia perturbá-lo, não importa o quanto pareça vir de fora, exceto o que está dentro de você. O exterior é apenas um reflexo ativado por seus próprios poderes correspondentes. O mesmo se aplica ao prazeroso. A incapacidade do homem de compreender isso separa-se do universo, da vida, da Criação, dos acontecimentos e da experiência. Portanto, ele personaliza os fatores externos e até dá um nome a esses fatores externos. Quanto mais ele se desenvolve, menos o homem será tentado a fazer tal coisa.

 

COMENTÁRIO DO GUIA QA244: Como prometi a você, esta noite responderei suas perguntas sobre a Bíblia. Antes, porém, gostaria de discutir alguns aspectos deste tópico. O Novo Testamento traz principalmente relatos de pessoas que eram então chamados de discípulos e apóstolos. Muitos desses relatos confirmam os mesmos eventos, sem contradições. Isso é importante para você compreender totalmente. Na verdade, é muito significativo que esses relatos sejam confirmações de eventos históricos reais, independentemente do que algumas fontes afirmam hoje.

Também é interessante notar que da maneira humana típica, as pessoas observam, sintonizam e têm opiniões diferentes sobre o que é relevante. Portanto, alguns dos Evangelhos se concentram mais em certos eventos do que em outros. Claro, também é verdade que nem todas as testemunhas estiveram presentes em todas as ocasiões.

Muitas das injunções de Jesus podem parecer hoje totalmente contraditórias às leis espirituais à medida que você as aprende. Além de erros de tradução ocasionais inevitáveis ​​baseados nos próprios equívocos e visão limitada do tradutor, na época as leis e regras da sociedade salvaguardavam as verdades espirituais internas. Essas mesmas regras e leis não são mais necessárias hoje porque a humanidade como um todo evoluiu consideravelmente, pelo menos em certas áreas. Quando tais questões surgirem - como certamente surgirão - irei explicá-las mais especificamente.

Muitas palavras nas Escrituras também parecem contraditórias com as verdades espirituais de hoje por causa da total externalização da realidade pela humanidade. Tudo estava separado e externo, nada internalizado. É por isso que causa e efeito foram vistos de uma forma distorcida, como se o efeito fosse um ato arbitrário, muitas vezes punitivo, de uma divindade separada.

Isso é de particular importância para vocês compreenderem, meus amigos. Nossa próxima palestra [Aula nº 245: Causa e Efeito em Vários Níveis de Consciência] tratará de alguns aspectos de causa e efeito de alcance muito profundo em vários níveis da realidade. Neste contexto particular, a próxima palestra o impedirá de rejeitar a Bíblia como você freqüentemente faz, em sua totalidade. Atrevo-me a adivinhar que uma série de perguntas lidarão com este aspecto das mudanças humanas na perspectiva e percepção da realidade e da Criação.

O benefício de compreender a Bíblia sob uma nova luz e com uma nova visão é incomensurável. Isso vai transmitir a você o imenso amor que Jesus deu a toda a humanidade. Isso o ajudará a experimentá-lo com mais realidade e a fazer contato com ele agora. Também lhe dará uma visão geral mais abrangente da evolução da consciência.

Ele conectará muitos dos meus ensinamentos a esse respeito com os eventos históricos reais e, assim, abrirá para você uma visão mais profunda da presença constante de Deus em toda a vida da humanidade. Ele revelará o processo contínuo de evolução, o que fortalecerá sua fé e corrigirá suas distorções.

Próximo tópico

Compartilhe