Cosmologia | Geral

QA249 PERGUNTA: Com relação à Queda, eu entendo que, ao longo de um período de tempo, as entidades escolheram estar fora da verdade. O que eu não entendo totalmente é o que acontece no Mundo Espiritual? De certa forma, estou dizendo, o que há para não ser verdade sobre isso? Pelo que entendi, o pensamento é realidade aí. Se alguém pode criar o que acredita, por que ficaria com raiva, ciúme, ressentimento etc.? Por que alguém escolheria se afastar da verdade? Eu percebo que a mesma pergunta poderia ser feita sobre a realidade encarnada. Aqui, pelo menos, vejo do que alguém poderia ter ciúme ou ressentimento, no nível material. Por exemplo, algumas pessoas têm mais do que eu, digamos, em dinheiro, e isso me ressente. É o mesmo no plano espiritual ou diferente?

A próxima pergunta tem a ver com a salvação. No início, quando entendi que a salvação era impossível antes da vinda de Jesus Cristo, me senti muito rebelde sobre isso. Achei injusto que ninguém pudesse obter a salvação antes de sua vinda. Agora sinto que posso aceitar isso. O que eu gostaria de saber é o seguinte: nos dois mil anos desde seu tempo na terra, outros seres caídos voltaram totalmente para Deus e para a luz da verdade?

Finalmente, eu gostaria de saber: alguém pode purificar totalmente os aspectos separados do eu inferior nesta vida, mas ainda assim ter aspectos que não trouxe consigo nesta vida, que precisará purificar em vidas futuras?

RESPOSTA: Esse tipo de pergunta é sempre extremamente difícil de responder, pois a dinâmica do seu mundo e o reino superior da realidade espiritual são tão diferentes que as palavras se tornam quase enganosas. As explicações são colocadas em termos tridimensionais, o que distorce um pouco a realidade.

Torna-se antropomórfico e faz as entidades espirituais aparecerem em termos terrenos, como se estivessem sob o mesmo feitiço desconectado ou ilusão. Ou as explicações tornam-se tão abstratas que não parecem responder à pergunta. Portanto, você deve ter paciência comigo enquanto tento formar a resposta de um ponto de vista mais adequado às suas necessidades no momento. As respostas podem ser dadas de muitos pontos de vista, muitos ângulos, muitos níveis e, na medida em que sua realidade pode ser transmitida, todas elas podem estar corretas.

Ao longo desses anos, desde que comecei as palestras que tenho o privilégio de ajudá-los, tenho discutido esse tema sob diferentes pontos de vista. Por exemplo, discuti a Queda em termos quase humanos, embora o tenha alertado para fazer concessões ao aspecto enganoso disso. [Aula # 21 A Queda]

Também discuti a evolução em termos de espalhar a consciência da vida - no vazio e descrevi o processo desse empreendimento. Essas duas abordagens parecem, se não se contradizer, pelo menos não coincidir da maneira mais importante. A forma como a Queda foi descrita descreveu a escolha pessoal e a responsabilidade de cada entidade na criação do mal e do sofrimento. É aqui que entra a sua pergunta.

Mas nas palestras sobre a substância divina - da qual você é parte integrante - sobre como penetrar no vazio e se perder temporariamente nele, a criação do mal é um subproduto inevitável. As entidades que fazem parte do fluxo sempre em movimento da vida divina estão, portanto, cumprindo uma tarefa. Como, então, você pode conciliar esses dois postulados?

Do ponto de vista humano, isso parece realmente difícil, mas é verdade. A escolha pessoal surge no momento em que a consciência se separa do todo e ainda possui as qualidades divinas, embora em força e alcance diminuídos. Com essas faculdades, a massa de consciência em separação ainda tem escolhas e certamente ainda tem autodeterminação.

Quando a consciência divina encontra o vazio, a consciência distorcida - o mal - passa a existir. Nem sempre tem que ser assim, mas muitas vezes acontece que a entidade individualizada - a consciência separada, diminuída - escolhe de acordo com o que parece mais tentador no momento.

A separação sempre cria ilusão e visão diminuída. Nesse estado, é necessária uma grande dose de autodisciplina. Torna-se necessário convocar um conhecimento interior que pode ser temporariamente ofuscado por uma visão falha ou incompleta.

Em uma palestra anterior [Aula # 248 Três Princípios das Forças do Mal - Personificação do Mal], Também mencionei que o aspecto divino da curiosidade desempenha um papel importante na evolução. É a força motora que motiva as entidades a surgir, a empreender novos empreendimentos e aventuras. Sem esse aspecto, a estagnação seria quase inevitável.

Como todos os aspectos divinos podem ser distorcidos e mal utilizados, este também pode ser. A curiosidade saudável que faz uma entidade separada surgir em uma substância ainda inexplorada - ou melhor, sem substância - e preenchê-la com vida, criatividade, substância divina e ser divino, essa mesma curiosidade pode mudar e usar seus poderes criativos de maneiras destrutivas .

Talvez seja melhor descrito dizendo que a unidade de consciência deseja explorar todas as alternativas possíveis à sua disposição. É assim que a Queda ocorre no processo de preencher o vazio - no processo criativo da evolução - até que o vazio não exista mais. Isso acontecerá em eras por vir, muito vasto para você compreender em números humanos, mas em medições cósmicas é diferente.

Visto que a criação e a evolução são um processo contínuo além do tempo, é perfeitamente verdade que a consciência divina fluindo para fora continua a se separar temporariamente do todo e escolhe caminhos destrutivos - experimenta-os - até que a verdade leve esta entidade a se reunir com a realidade divina novamente. Nesse sentido, entidades continuam caindo e sendo salvas o tempo todo. O tempo é, obviamente, uma descrição falsa e enganosa para você, mas não há outra maneira de colocá-lo em sua língua.

Raiva, ciúme e ressentimento são o resultado de experimentar diferentes leis e modalidades que podem ser contrárias à vontade de Deus. Eles não são a causa. Eles não existem antes da separação e, conseqüentemente, o mal foi escolhido.

Veja, meu filho, você menciona que se ressente de que os outros tenham mais dinheiro. Este é um bom exemplo de demonstração do que estou tentando transmitir aqui. Nesse ressentimento, você vive em uma ilusão - uma ilusão que surgiu como resultado da visão diminuída, da separação de sua consciência total.

A ilusão é que você vive em um mundo injusto no qual riquezas arbitrárias são concedidas e no qual algumas podem ser deixadas de fora sem qualquer motivo. No entanto, essa ilusão em si pode ser desafiada e, portanto, dissolvida. Manter essa ilusão é uma escolha que serve a um certo propósito na parte distorcida de sua consciência. Ao expandir sua consciência desafiando essa suposição, você finalmente verá que cada partícula do ser tem exatamente o que ganhou - o que abre espaço.

Você diz que agora aceitou que a salvação não era possível antes de Cristo. No entanto, gostaria de salientar-lhe, para que não tenha mais ilusões, que mais uma vez existe uma justiça, uma verdade e uma beleza inexoráveis ​​na legalidade dos processos divinos. No desenvolvimento individual, a luz só pode ser conquistada de acordo com os processos de esforço e crescimento e, portanto, a capacidade de uma entidade de ver a luz da verdade e do amor.

Se a verdade e o amor fossem dados sem esta prontidão, seria totalmente impossível assimilá-los. Na verdade, a Luz de Cristo - que é a luz da verdade e do amor - cria terror e severa contração naqueles que permanecem relutantes em se aventurar em um novo estado de consciência. Este processo individual pode ser prontamente observado em seu ambiente, se você apenas concentrar sua atenção neste fato incontestável.

Não é diferente com uma entidade coletiva - digamos, a entidade de uma nação, de um grupo de pessoas ou da humanidade como um todo. Enquanto você pensar em um estado de consciência em termos de uma autoridade dando ou privando você, você sempre estará na ilusão e, portanto, na dor. A consciência precisa ser ampliada, aprofundada e intensificada com as ferramentas já à disposição de cada criatura existente. É aqui que entra a escolha.

Sua pergunta sobre se os seres se reuniram totalmente com a luz da verdade - com Deus - desde que Jesus Cristo estava na terra, é respondida afirmativamente. Claro. É um processo constante de reunificação e novo surgimento da grande corrente, de resseparação e reunificação, repetidamente, até que não haja mais nenhum vazio.

A resposta à sua última pergunta também é afirmativa. Muitas vezes é verdade que uma entidade purifica completamente de acordo com o plano atual, cumprindo assim seu destino da melhor maneira possível. Mas outros aspectos podem não ter sido incorporados à substância da alma antes de um certo grau de desenvolvimento ter sido alcançado. É uma questão de tempo e ritmo realistas.

Espero que essas respostas de alguma forma movam seu próprio processo de pensamento e sentimento interior, de modo que você possa experimentar a verdade em um nível interno. Essas respostas são alimentos para tornar isso possível para você, eventualmente.

Próximo tópico

Compartilhe