Suicídio

QA132 PERGUNTA: Tenho uma pergunta sobre um amigo meu que está em um estado de negatividade absolutamente total. Ela esteve em instituições duas vezes. Fisicamente, ela é terrivelmente deficiente, então só pode aceitar empregos muito limitados e se isola completamente de todos. Ela não atende o telefone e está ameaçada de suicídio. Ela não vai falar com sua família porque tem medo que a prendam. Ela me ligou e disse que teria que encontrar uma maneira de suicidar-se, porque o único futuro possível para ela é ser internada ou que algo horrível lhe aconteça. Mas ela insistiu para que eu não contasse a sua família que estive em contato com ela de qualquer forma. Agora, eu não sei. Ela tentou suicídio duas vezes. Devo contar para a família dela?

RESPOSTA: Eu deveria dizer que sim, porque o que ela teme na instituição, ou seja o que for que ela teme por continuar a viver, ela não pode evitar cometer suicídio. Pelo contrário. Somente encontrando seu problema ela tem uma chance de evitar as dificuldades. Deixar que ela se prejudique ainda mais do que já fez em tal caso não é vinculativo, porque há uma ética superior a ser considerada.

Essa é uma pessoa que não sabe o que quer, o que é bom para ela. Ela não está em posição de tomar uma decisão, o que é demonstrado pelo simples fato de que deseja tirar a própria vida em vez de enfrentar o problema. Portanto, tal decisão destrutiva deve ser evitada.

 

QA221 PERGUNTA: Ultimamente, tenho experimentado um desejo de fugir e estou realmente fantasiando sobre como acabar com minha vida. O que me assusta é duplo. Um é, eu sinto que posso conseguir as coisas facilmente - tenho uma atitude meio invertida em relação a estar aqui. É como se eu cuspisse na vida, sob essa luz. Por outro lado, a morte realmente parece atraente. Estou realmente atraído por isso, e nunca soube disso sobre mim. Mas entro em tal estado de depressão que parece que não vale a pena ficar por aqui. Não consigo encontrar nada excitante. É a atração - é assustador. Eu estou assustado.

RESPOSTA: Você ligou todo o princípio do prazer à excitação negativa. E é por isso que você se sente encurralado agora. Você sente que seu Pathwork o colocou face a face com algumas das negatividades e, por assim dizer, o forçou a ver a aversão a si mesmo que isso engendra.

A armadilha está em ter empolgação. Mas, como você já conhece a negatividade, não consegue nem mesmo aproveitar mais o prazer negativo, de maneira tão despreocupada. Então você parece não ter outra escolha a não ser desistir da emoção e ser bom e ter uma vida enfadonha e muito difícil, como parece.

Então, você combina uma raiva rancorosa com isso, pensando: “Eu não quero viver. Se não acontecer com fluidez e facilidade, se eu não puder manipular a vida por minha própria vontade, e se eu não puder vencer sempre e fazer exatamente do meu jeito e ser completamente despreocupado - tenho toda a negatividade e nenhuma consequência, nem mesmo as consequências de mim mesmo - desgosto, vergonha e culpa - se não posso ter isso, desisto. ”

Agora, há uma escolha na maneira como você olha para isso. Você ainda não vê o poder do pensamento e a possibilidade de criar outro material de pensamento. Por exemplo, como indiquei na última aula [Aula # 221 Fé e Dúvida na Verdade ou Distorção], levantando a mera questão: “Talvez haja outra possibilidade que ainda não vejo; talvez eu pudesse desenvolver e ser responsável, e fazer as coisas para o seu próprio bem, por uma questão de decência e honestidade e verdade e amor - não para obter algo. Talvez isso traga uma nova forma de autoexpressão e empolgação da qual ainda não tenho consciência, mas estou pronto para investigar se essa possibilidade existe. ”

Em outras palavras, recomendo fortemente que você reconheça, em primeiro lugar, o elemento rancoroso em seu flerte com a morte; número dois, a conexão e a convicção de que a excitação e o prazer residem apenas em ser negativo; e número três, que você questione essa crença ou perspectiva e abra espaço para outra possibilidade - e ore verdadeiramente, ore verdadeiramente por essa visão.

 

QA234 PERGUNTA: Tenho trabalhado para ver a crueldade em mim. Meu irmão, que se suicidou há dois anos e meio, entrou em uma conversa hoje. Ainda há muito medo em mim sobre meu irmão e isso distorceu meus sentimentos e pensamentos sobre meu irmão e meu papel em sua vida. Ele é uma pessoa muito importante na minha vida.

RESPOSTA: Bem, deixe-me falar sobre sua culpa em relação ao seu irmão primeiro. É um irrealismo total que tudo o que existe em seu eu inferior possa ser a causa da decisão de outro ser humano de tirar a própria vida. Isso é um absurdo absoluto, pois não há ser humano na Terra que não tenha um eu inferior. E se a vida de uma pessoa ou sua vontade de passar pela vida dependesse da perfeição ou da falta de perfeição de outras pessoas, isso não faria qualquer sentido.

Agora, a razão pela qual você assume esse terrível fardo de responsabilidade irreal é clara e obviamente um resultado direto, não de sua crueldade de forma alguma, mas de sua recusa em assumir a responsabilidade própria onde realmente deveria. Em outras palavras, há uma parte muito grande e substancial de você mesmo onde você realmente deseja sobrecarregar os outros com a responsabilidade por sua própria vida.

É precisamente porque você ainda tem interesse nisso - em culpar, em exigir que os outros o exonerem da obrigação de crescer e mudar e expandir e criar para você mesmo - e porque você tem essa demanda que você deve pensar que também é obrigado para atender às demandas que outros podem realmente ou imaginariamente fazer de você. Esta é realmente a dinâmica da sua culpa. É a anatomia de sua culpa aqui.

Agora, quanto à crueldade, é resultado de toda essa confusão. É muito bom que você comece a enfrentar a crueldade, a reconhecê-la e aceitá-la, e assim aprenderá a transformá-la. Porque você verá quanta energia vital está contida na crueldade que poderia ser usada gloriosamente para construir uma vida criativa e plena. Mas você não se permite usá-lo dessa forma e, portanto, ele deve se transformar em uma força negativa.

Próximo tópico

Compartilhe