História | Geral

83 PERGUNTA: Na última aula [Aula # 82 A Conquista da Dualidade Simbolizada na Vida e Morte de Jesus] aprendemos que é importante enfrentarmos a morte para vivermos plenamente. Há, atualmente, grande publicidade dada ao julgamento de Adolf Eichmann. Minhas perguntas são: Um, podemos e devemos tentar enfrentar a morte desses milhões de infelizes a fim de aprender algo por nós mesmos individualmente? Dois, é saudável reviver uma era de morte e destruição? Três, pode alguma lição positiva ser aprendida pela humanidade ao reviver isso?

RESPOSTA: Respondendo primeiro à pergunta: pode-se aprender alguma lição sobre vida e morte ou qualquer outro tópico nesse sentido? Isso depende inteiramente de você, o indivíduo, se você pode ou não deseja aprender uma lição. Mas quanto à lição da morte, atrevo-me a dizer que todo indivíduo tem que passar por isso pessoalmente, seja a morte física real ou as muitas pequenas mortes diárias que discuti recentemente.

Acho que seria muito perigoso presumir que uma pessoa pode aprender com a tragédia de outra neste sentido específico. Seria perigoso porque causaria uma presunção naquele indivíduo, que poderia acabar em crueldade passiva ou, eventualmente, até em crueldade ativa. Essa pessoa pode tolerar a crueldade de uma forma insidiosa e sutil. Certas coisas podem ser aprendidas apenas passando por elas por conta própria.

Existem outras maneiras pelas quais alguém poderia, pelo menos teoricamente, aprender por meio das experiências de outras pessoas, se estiver aberto. No entanto, a experiência mostra que a maioria das pessoas tem que aprender suas próprias lições por meio de seus próprios erros, não pelos erros que os outros cometem e nem pelas experiências dos outros.

Se em casos isolados isso ocorrer, tanto melhor. Mas não existe uma lei geral que possa proclamar um acontecimento particular como mais propício para aprender do que outro. Teoricamente, pode-se aprender com qualquer ocorrência na vida. Em geral, é mais fácil aprender uma lição com as próprias e insignificantes decepções do que com a tragédia de outra pessoa.

Quanto à segunda pergunta, meus queridos amigos, não posso responder com um Sim ou um Não. Novamente, depende do indivíduo. Uma lição positiva pode ser aprendida pelos indivíduos, bem como pela humanidade em geral, se eles se lembrarem dessa era de destruição e crueldade. E uma lição negativa também pode ser aprendida com isso. Da mesma forma, tanto uma lição positiva quanto uma negativa podem ser aprendidas por não revivê-la. Não há Sim ou Não. Não há uma resposta padrão para nenhuma dessas duas alternativas.

Enquanto as pessoas forem governadas principalmente pela vingança, pelo ódio e pela vingança, e essas emoções permanecerem predominantes, não haverá lição. Se, por outro lado, as principais motivações são verdadeira e genuinamente mais construtivas do que destrutivas - não apenas proclamadas, mas verdadeiramente sentidas - a lição será positiva. Por outro lado, não revivê-lo também pode acontecer por motivos negativos, como covardia, medo, indiferença, oportunismo, resignação. Isso seria uma lição negativa.

Não revivê-lo poderia vir de uma verdadeira sabedoria que sabe que as leis do Mundo Divino cuidam de tudo. Mas isso certamente não significa que os criminosos não devam sofrer as consequências. A abordagem de assumir a responsabilidade de punir outro ser humano é muito diferente da abordagem de tornar impossível mais crueldade, enquanto cura os criminosos de sua doença - se eles estiverem dispostos a aceitar a ajuda necessária.

Próximo tópico

Compartilhe