Jesus Cristo | Geral

25 PERGUNTA: Eu gostaria de perguntar se o espírito de Cristo é um espírito que tudo permeia como Deus ou um espírito individual.

RESPOSTA: É exatamente o mesmo que acontece com Deus. A substância de Cristo é igual à substância de Deus; é toda a substância divina. É a mesma substância que você tem em si mesmo. Quer você a chame de substância divina, substância de Deus ou substância de Cristo, não faz diferença. Deus deu a maior parte dessa substância à sua primeira criação, o espírito de Jesus Cristo. Todos os outros seres receberam alguma desta substância, e cabe a eles desdobrá-la e ampliá-la com o poder que lhes foi dado.

Se você se desenvolver, você libertará seu eu superior das sombras e camadas do eu inferior. Essa é a presença que você tem constantemente em você, se puder desenvolvê-la. E essa centelha divina ou eu superior é a substância à qual estamos nos referindo. A presença de Deus ou de Jesus Cristo como pessoa é outra coisa.

Cristo pode ser sentido em pessoa como uma presença, em sua personificação, mas isso é algo totalmente diferente da substância divina em você. A presença de sua própria substância divina dentro de você só pode ser desdobrada seguindo este mesmo Caminho para o qual estou agora conduzindo você.

Sentir a presença de Deus em sua personificação - o que quase nunca acontece com um ser humano, mas é possível para os espíritos - ou sentir a presença de Jesus Cristo como pessoa é uma graça ocasional que pode vir inesperadamente, sem qualquer saber ou entender por quê. São duas coisas totalmente diferentes.

 

63 PERGUNTA: Aqui somos ensinados que a salvação vem por meio do trabalho, da auto-busca, do esforço e da descoberta de imagens a serem rejeitadas. Hoje, um homem que se diz um “cristão nascido duas vezes” me perguntou se eu aceitava Jesus como meu salvador pessoal e que, a menos que o fizesse, não encontraria a salvação.

A minha pergunta é: como reconciliar esta doutrina da fé na salvação proclamada pela Igreja através do outro, com o nosso trabalho no Caminho? E, além disso, essa fé em um ser celestial que se tornou homem é suficiente para um mortal compartilhar, por meio de rituais misteriosos, sua vida divina? Esta fé mais os sacramentos são suficientes para nos redimir dos laços da culpa e morte terrenas e para nos despertar para uma nova vida que significaria existência eterna e bem-aventurança?

RESPOSTA: Em primeiro lugar, gostaria de enfatizar que é um completo mal-entendido por parte de muitos seres humanos pensar que qualquer ato, mesmo o maior ato de amor, poderia ser suficiente para que eles se libertassem de seus laços internos. Aqueles que gostam de acreditar nisso, muitas vezes o fazem porque seria muito confortável, de fato. Claro que não é assim e as palavras de Jesus nunca foram significadas dessa forma.

Expliquei detalhadamente de que forma o ato de Jesus Cristo constituiu a salvação para todos os seres caídos, qual foi sua contribuição e como ela abriu a porta e mostrou o caminho [Palestras # 19-22] Não preciso repetir isso agora, pois está tudo registrado e é inútil aproveitar o tempo disponível para a repetição. Ao relê-lo, você verá que nunca foi sugerido ou declarado que a vinda de Cristo isentava o indivíduo de trabalho e esforço pessoal. Muito pelo contrário, é verdade.

É bem possível que as pessoas alcancem a salvação, a liberdade interior, a libertação da mentira, embora não aceitem a Cristo. Isso não muda os fatos, entretanto. Os fatos são que Jesus Cristo é o mais elevado de todos os seres criados, que ele veio à Terra e que sua vinda foi o ponto de viragem no desenvolvimento geral dos espíritos caídos.

Quando o desenvolvimento pessoal atinge o ponto ótimo, a pessoa está aberta para a verdade em todos os aspectos, é capaz de se libertar de preconceitos e ideias preconcebidas e nada impedirá de experimentar a verdade em todos os níveis.

Em outras palavras, uma pessoa pode iniciar o caminho do autodesenvolvimento e ainda abrigar certas idéias que não estão de acordo com a verdade, seja neste assunto ou em qualquer outro. Em algum momento, porém, a verdade penetrará como resultado de uma experiência interna, e não por qualquer aceitação externa de uma doutrina ou crença. E é igualmente possível que as pessoas acreditem e aceitem esta verdade - ou qualquer outra - e ainda retenham em suas almas as próprias obstruções que não as deixam se libertar.

As pessoas se apegam a certos preconceitos de acordo com sua educação, ambiente e suas concepções ou imagens pessoais erradas. A resistência interior bloqueia o caminho para a verdade. Além disso, alguém pode ter emoções muito distorcidas e abraçar uma verdade por coincidência, por assim dizer. Essa verdade, então, será ineficaz porque os motivos estão errados, os sentimentos subjacentes não são saudáveis.

Pode-se até resistir a uma inverdade por bloqueios internos e subjetividade, em vez de por liberdade e objetividade. Em suma, você pode resistir a uma mentira a partir de emoções prejudiciais, bem como aceitar uma verdade a partir de emoções prejudiciais. O requisito sempre e acima de tudo deve ser a purificação das emoções. A intenção certa é o que importa, e não o que alguém aceita e acredita externamente. Por que e como uma crença surgiu, em que motivos internos ela se baseia - isso é o que importa na análise final.

Este Caminho que você está seguindo fatalmente trará à tona todos os motivos distorcidos, não importa o quão profundamente ocultos e inconscientes. Assim, sua alma se tornará saudável e livre. Isso, por sua vez, permitirá que você experimente a verdade que precisa ter e saber, em vez de aceitá-la apenas com o intelecto.

A verdade de Jesus Cristo acabará por fazer parte da experiência interior de todas as pessoas que desenvolverem suas almas. Para alguns, essa verdade vem mais cedo e outras verdades vêm depois. Com outras pessoas é o contrário. Mas dizer: “Você tem que aceitar Jesus Cristo” é tão errado quanto dizer: “Você tem que acreditar em Deus”. Ele só cria reações prejudiciais, como compulsão, culpa, resistência ou rebelião.

Todos os “deveres” criam situações que criam resistência à verdade. A verdade é abusada ao torná-la uma ferramenta para o princípio de governo no homem. A outra pessoa sente isso e então projeta sua resistência no divino, e não na pessoa. Freqüentemente, a resistência é tão errada quanto aquela contra a qual se resiste. Ambas as alternativas estão erradas.

Fé em Deus, fé em Cristo, fé como tal é, obviamente, a chave principal. Mas não pode ser comandado. A fé surge naturalmente quando os obstáculos são removidos. Todos os seres humanos possuem um depósito interno de fé, amor, verdade e sabedoria - mas estes estão bloqueados pelas obstruções e desvios. Todos esses atributos divinos são automaticamente liberados na medida em que os desvios internos se corrigem por meio do trabalho no Caminho.

Isso sempre vem como um efeito. É um crescimento natural que nunca pode ser forçado diretamente. Quando seus professores religiosos terrenos insistem em que você deve ter fé, eles não realizam nada. Na melhor das hipóteses, será uma fé sobreposta. E quanto mais forte a sobreposição, mais forte é a rebelião interior inconsciente contra a própria fé superposta - adotada apenas porque era esperada e exigida.

Acontece o mesmo com o amor. Você não pode se obrigar a amar, mas neste trabalho aprofundado, você eventualmente aprende e entende por que você não tem fé ou amor, e quais são as conclusões erradas que o fazem fechar a porta para seus poços internos de fé e amor - inconscientemente na maioria dos casos. No entanto, antes de chegar a esse ponto, muitas vezes você precisa se conscientizar do fato de que não tem fé nem amor sob níveis superpostos de pseudo-fé e pseudo-amor.

Somente depois de compreender completamente as causas internas, os equívocos e os desvios com todas as suas ramificações e reações em cadeia, a fé real, o amor real, a verdade real, a sabedoria real e quaisquer outros atributos divinos se tornarão parte do seu ser.

Claro, a fé é a chave, assim como o amor é a chave, assim como a verdade é a chave. Cada um deles, em sua essência não diluída, contém todos os outros atributos. Um é tudo e tudo é um. A questão não é se você deve ou não tê-lo. Não pode haver dúvida sobre isso. A questão é como você pode obtê-lo, por que você não o possui, o que em você bloqueia o caminho. Então o divino em você será capaz de se revelar. Então é uma chave - a chave da vida, a chave do universo.

PERGUNTA: Ainda há uma parte da minha pergunta que não foi respondida, que tem a ver com se uma pessoa pode ou não ser salva por meio de um Salvador ou pelos próprios esforços de uma pessoa?

RESPOSTA: Eu respondi isso. Eu disse que não pode ser. Você tem que fazer o trabalho sozinho.

PERGUNTA: Você disse que, quando as obstruções são removidas, a fé o segue. Mas eu conheço pessoas que têm fé e ainda têm muitos obstáculos.

RESPOSTA: Em primeiro lugar, no que diz respeito a quaisquer atributos divinos, é sempre uma questão de grau para qualquer ser humano. Não se pode dizer de nenhum ser humano que ele ou ela tenha fé ou amor completo. A falta costuma estar oculta no inconsciente.

No nível consciente, a maior parte da personalidade pode de fato ser saudável, enquanto a parte que falta permanece no inconsciente. Neste Caminho, as faltas ocultas, bem como as conclusões erradas, são sempre trazidas à tona.

Uma pessoa pode ter uma fé bastante saudável, mas outros atributos divinos são afetados e afetam a personalidade predominantemente. Nunca se pode simplificar demais. Às vezes é complicado por causa da possibilidade de que a fé de alguém seja compulsiva ou escapista, e então não é uma fé real, mas uma pseudo-fé. Pode ser uma mistura de fé parcialmente saudável, falta de fé parcialmente inconsciente e pseudo-fé. Tudo isso deve ser descoberto, investigado e entendido honestamente. Só então você pode colocar ordem em sua alma.

 

82 PERGUNTA: Eu gostaria de perguntar a você sobre a ênfase que a igreja coloca na ressurreição corporal de Jesus Cristo. Qual é o seu comentário sobre isso?

RESPOSTA: Há dois aspectos envolvidos, um dos quais comentei no passado. Sobre o primeiro aspecto, repito, brevemente, que se trata de um equívoco que decorre do medo inerente da morte física. As pessoas querem acreditar na continuação física da vida. Portanto, eles precisam interpretar o reaparecimento de Jesus Cristo como uma ressurreição física.

O outro aspecto tem um significado muito mais profundo e amplo. Ele contém a mais profunda sabedoria e verdade, mas em forma simbólica. Este simbolismo eu expliquei extensivamente na aula anterior [Aula # 82 A Conquista da Dualidade Simbolizada na Vida e Morte de Jesus] A ressurreição de Jesus Cristo ensina simbolicamente que se você não fugir do medo da morte, do sofrimento e do desconhecido, mas passar por ele, você realmente terá a vida em seu sentido mais profundo, enquanto ainda está no corpo.

A vida pura e inadulterada só pode ser alcançada se a morte for enfrentada diretamente. Ao usar a palavra “puro”, não sugiro o que geralmente se entende por pureza: um estado insípido que rejeita o corpo. O corpo faz parte do espírito e o espírito faz parte do corpo. Ambos formam um todo. É por isso que Jesus Cristo apareceu como um corpo humano, para mostrar que o corpo não deve ser rejeitado ou negado. Se você aceitar a morte, você será ressuscitado em vida - no corpo - pela força vital fluente, o que realmente fará você experimentar prazer e alegria em todos os níveis do seu ser, incluindo o nível físico. Está claro?

PERGUNTA: Sim, mas sua declaração quanto ao erro deste pensamento levaria alguém a concluir que as partes do Evangelho que descrevem a chegada dos discípulos ao túmulo como uma história de promessa são inteiramente falsas, e não um relato factual.

RESPOSTA: Não, de forma alguma. Quando Jesus apareceu aos seus discípulos, seus entes queridos, ocorreu um fenômeno que sempre foi conhecido e continuará a ser conhecido, se certas circunstâncias prevalecerem. Em sua época e época, isso é chamado, creio eu, de materialização da substância espiritual. É a condensação da matéria espiritual, como toda a vida física. Mas o fato de que isso aconteceu contém um profundo significado filosófico e psicológico, que geralmente é ignorado.

O significado é, como já expliquei, que se você encontrar a vida e a morte, não pode morrer. Você então viverá no verdadeiro sentido da palavra. Portanto, o que os discípulos viram era real, embora a maioria deles não entendesse o significado e propósito do evento, embora Jesus tenha tentado explicá-lo então, como já havia feito muitas vezes antes. Poucos entenderam, mas não todos. Aqueles que não o fizeram, tomaram-no simplesmente como um fenômeno, que em si não era único.

 

110 PERGUNTA: Nas leituras psíquicas de Edgar Cayce, foi dito que o espírito de Cristo se manifestou em várias encarnações na Terra, antes de nascer como Jesus o Cristo. Você confirma isso?

RESPOSTA: Não exatamente nesse sentido, mas há muitos mal-entendidos devido à terminologia e à interpretação. Como você sabe, em muitos conceitos religiosos, a centelha divina, ou eu superior, também é chamada de Cristo interior. Quanto mais puro é um ser, mais este espírito de Cristo se manifesta em cada ser criado. O objetivo da evolução é libertar o eu superior - ou o chamado Cristo interior - de todas as incrustações.

Houve alguns grandes espíritos na Terra dos quais se pode dizer que o Cristo interior era livre para governá-los. Alguns que vieram eram espíritos puros para começar. Eles vieram para cumprir uma missão. Outros, por meio de desenvolvimentos anteriores, já foram bastante libertados.

Quer você chame isso de libertação do eu superior, o eu divino ou o Cristo interior, é uma questão de terminologia. Tudo dá no mesmo, as palavras não importam. Mas não posso confirmar se o espírito de Jesus encarnou antes ou depois. E Jesus não foi o único dos espíritos puros que veio apenas uma vez.

Próximo tópico

Compartilhe