As Escape

QA159 PERGUNTA: Tenho um temperamento um tanto místico e frequentemente entro em períodos de intensa meditação. Estou preocupado se às vezes isso se torna uma coisa doentia, uma espécie de abstinência esquizofrênica. Outras vezes, parece uma parte natural e necessária do meu desenvolvimento. Eu tenho dificuldade em distinguir.

RESPOSTA: Sim. Pode ser ambos. Você está certo. Agora, uma maneira muito boa para você avaliar isso é se o teor principal de suas meditações é direcionado para enfrentar a verdade em você mesmo, não para um alívio ou um estado de prazer - que viria de qualquer maneira, mas de uma forma real e muito segura e maneira muito sensata, se você olhar para si mesmo de verdade.

Se você se fortalecer com o tipo de abordagem que diz: “Eu tenho a coragem, a integridade e a honestidade de olhar para mim mesmo com verdade e de transformar o que é destrutivo e ilusório em construtivo e real. E peço às forças divinas dentro de mim que me inspirem e guiem para esse fim. Eu, como manifestação de Deus, tenho o direito inalienável - é o meu destino - de ser feliz, de viver com prazer, de viver em realização. Mas desejo fazê-lo da maneira real que não foge de mim mesma, que olha e dissolve e resolve os problemas dentro de mim, de modo a chegar a uma realização do divino em mim, não de uma forma falsa ”.

Esse tipo de abordagem sempre o tornará seguro para você. Então você permanecerá na realidade. Na medida em que você deseja e deseja de todo o coração, a orientação se manifestará mais e mais e ajudará você a fazer isso e colocá-lo em prática.

 

QA182 PERGUNTA: Estou bastante confuso com o estado em que me encontro quando medito à noite. Eu passo por períodos em que relaxo e sinto e penso. E então, de repente, perco o contato completo com meu corpo, e sinto que não sei o que aconteceu - se eu me hipnotizei ou se meu espírito realmente deixou meu corpo, porque eu experimentei isso e sei Eu já fiz antes. Disseram-me que este estado em que estou era muito perigoso - estar sozinho.

RESPOSTA: Sim. Isso não é bom.

PERGUNTA: Sinto-me muito em paz neste estado e tenho o desejo de ir além disso. Esse desejo é muito forte dentro de mim, e discuti isso com alguém que me enviou a você. Não sei se é uma fuga. Sinto que há algo ali e preciso ser guiado por esse estado.

RESPOSTA: É verdade, existe uma fuga aí, uma fuga porque há muitos aspectos da sua vida com os quais você ainda não ousa lidar, onde você se afasta de relacionamentos ricos e vitais e onde usa sua espiritualidade como um suplemento. Nesse sentido, as experiências espirituais - sejam elas quais forem - tornam-se invalidadas, não importa quão bonitas possam ser ou quanta verdade possa vir à tona, por quanto possa valer e quão boa possa ser.

Isso o invalida porque a integridade da pessoa não está estabelecida. As experiências espirituais devem ser o resultado natural de uma totalidade e uma riqueza de realização dentro do corpo, com outras pessoas, em uma troca vital onde os medos do eu - o eu do ego, a consciência do ego que lida com o relacionamento - não existam mais, onde você cuida do seu dia a dia de uma forma perfeitamente harmoniosa e plena. Então, essas experiências espirituais se tornam significativas.

Eles não vão lhe dar nem um pingo de medo, porque você sentirá que existe uma ordem. Há algo orgânico nisso, um aspecto auto-regulador. Mas, desta forma, sugiro que busque uma experiência muito intensa - e não quero dizer intensa no sentido de tensão, quero dizer, de uma forma evoluída e concentrada de compreender o que o impede de relacionamento e experiências vitais com os outros - e que você se concentre nisso, muito mais do que nas experiências espirituais primeiro.

Ou melhor, você deve usá-los apenas para fornecer essas respostas. Pois há equívocos embutidos em você, nos quais você realmente tem medos e negações do contato humano, do contato com o seu eu mais íntimo em relação às outras pessoas. Você não tem esse medo em relação a si mesmo, sozinho. Você está bem claro nisso. Isso nem sempre é verdade, pois muitas pessoas temem isso, estando sozinhas, tanto quanto. Mas você não tem isso.

Quando você está sozinho, você se sente bastante seguro e ancorado e é capaz de entrar em contato com recursos e realidades interiores. Mas você tem muito medo de fazer isso no relacionamento com outras pessoas, e isso deve ser explorado. Voce entende?

PERGUNTA: Sim, acho que sim.

RESPOSTA: Use as respostas que você pode obter para esse propósito. Concentre suas perguntas de forma muito concisa neste canal. O que é que você sente? Quais são seus equívocos? O que o impede de ter um contato bonito e vital com os outros? E abra-se para a verdade dessas respostas.

Próximo tópico

Compartilhe