Limitando Crenças

QA171 PERGUNTA: Existem leis naturais governando os limites da experiência?

RESPOSTA: Não. As leis naturais também são as leis espirituais. Os limites são estabelecidos pela mente, por aquilo que a mente pode conceber, pelos limites que a mente estabelece. Esse é o único limite que existe. Não há outro. Agora, isso pode parecer muito pouco, e na verdade é muito pouco, mas também é muito, para uma pessoa que é, por milênios - literalmente por milênios - doutrinada com certas crenças e conceitos, é limitada por eles até explodir livre dessas limitações.

Isso só pode acontecer na medida em que um ser humano realmente se conheça e se aceite e supere a destrutividade das falsas crenças. Pois não há outra fonte de destrutividade além das falsas crenças. Uma vez que você descubra - por meio de você mesmo - suas falsas crenças, você elimina a destrutividade que existe em sua alma e, muitas vezes, em suas ações, sem o conhecimento das boas intenções que você tem.

À medida que essas ações destrutivas cessam, porque cessa o falso conhecimento sobre você mesmo e seu relacionamento com o universo e os outros, as limitações - as cercas da mente - desaparecem.

É como se todos os seres humanos estivessem se movendo em um canal muito estreito, não porque o canal precise ser estreito, mas porque a mente acredita que seja estreito. Conforme o seu próprio autoconhecimento e auto-aceitação aumentam - e, portanto, sua experiência produtiva e construtiva de si mesmo e da vida - os canais se alargam mais e mais e mais.

Como eu disse certa vez em relação a uma palestra, você descobre em um ponto que as cercas que o cercaram eram ilusões. Eles eram realmente inexistentes. É como se um ser humano tivesse se mudado a vida toda para uma prisão e não soubesse que existe um espaço aberto. Ele apenas se imagina em uma prisão.

Esse é o único limite que existe - o que você acredita. E quando digo acreditar, não é apenas a crença consciente, é claro, mas muito mais importante, suas idéias e conceitos inconscientes.

Próximo tópico

Compartilhe