Movimento corporal

QA178 PERGUNTA: Existem padrões definidos de movimentos que são conhecidos pela humanidade que podem produzir diferentes estados de percepção ou consciência?

RESPOSTA: Bem, eu colocaria de outra forma, pois é sempre a consciência que reina suprema. É a consciência que cria, e não é o movimento que cria a consciência. Mas é a consciência que cria o movimento - assim como a consciência cria tudo o mais.

Se você vê-lo em sua perspectiva correta, será muito mais fácil de entender. O que a consciência pensa, percebe, acredita, deseja, sente, suas atitudes, seus preceitos - tudo isso cria formas, movimentos, padrões de energia.

Deixe-nos dar um pensamento simples. Seu tipo particular - o que expressa, o que significa - criará um sentimento, uma energia e, portanto, uma forma, um padrão de energia - uma forma de campo, se preferir, uma forma de campo eletromagnético. Todas as formas que existem no universo são expressões da consciência e nunca o contrário.

PERGUNTA: Dado este desejo consciente que talvez as pessoas neste Pathwork tenham, é possível então, por meio de movimentos corporais e físicos, alcançar aquelas partes de sua consciência que você chama de inconsciente e, portanto, torná-las conscientes na mente?

RESPOSTA: Sim. É por isso que sempre defendi, repetidamente, o envolvimento total da personalidade no processo. Se apenas um aspecto for usado como ferramenta, ele não poderá cumprir seu objetivo. Pois bem, é muito comum que, por meio de movimentos corporais, certos bloqueios sejam removidos e algo ceda. Da mesma forma, a meditação também é um tipo de movimento que pode dissolver bloqueios e estagnação para que a consciência se desenvolva ainda mais. O movimento é criado.

Então, novamente por meio de ambos, o ímpeto cresce para usar a energia do movimento e a ênfase na direção de encontrar a verdade, de querer e se comprometer a fazer isso, além e além e apesar da resistência sempre presente. Todos os meios disponíveis devem ser usados ​​e são necessários para usar.

PERGUNTA: A maioria das religiões do mundo usa o genuflexo. Muitos deles também usam as duas palmas juntas. Os padrões criados pelos dervixes rodopiantes - movimentos desse tipo. Sinto que perdemos contato com quais sentimentos ou estado de consciência essas coisas representavam inerentemente, mas que eles têm algum significado inerente acima e além do que sabemos agora.

RESPOSTA: Bem, você vê, todo ritual teve ao mesmo tempo um significado simbólico por trás dele. Cada um dos rituais em praticamente todas as religiões existentes tinha um profundo significado simbólico. O problema surge apenas quando a conexão é perdida e o ritual se torna mecânico. Então não tem sentido.

Deve então ser interrompido, porque a mente preguiçosa assume que no próprio ritual, no próprio movimento mecânico, reside um ato benéfico, ou ato religioso ou espiritual, que por si mesmo criará uma nova consciência, o que ela não pode fazer. Mas se há um significado por trás disso e se o significado é verdadeiramente compreendido, então é possivelmente uma coisa útil - para alguns deles, pelo menos, nem todos eles agora, por mais tempo.

PERGUNTA: É possível que essas posições, as posições do corpo, façam as novas conexões no corpo. Por exemplo, se uma pessoa se curva e põe a cabeça abaixo do coração, abaixa o ego, essa posição, do ponto de vista da energia da função do corpo, é significativa de alguma forma?

RESPOSTA: Agora, vou responder ainda, exatamente como é antes. Se a pessoa, digamos, entra em uma igreja com uma atitude que realmente expressa o sentimento: “Há um poder além do meu pequeno ego, um vasto e infinito poder de sabedoria. Esse poder existe dentro de mim, ao meu redor, em cada partícula do universo. Meu pequeno ego tem a tendência de ser arrogante, de intelectualizar, de se engrandecer ”- isso é particularmente verdadeiro nesta era de intelectualismo e mecanização -“ e eu deixo de lado a vontade desse pequeno ego e quero aceitar essa sabedoria maior e esteja aberto a isso, independentemente de quão medroso ou preconceituoso eu seja ”, então tal movimento será significativo.

Mas você pode pegar outra pessoa e passar pelo mesmo tipo de movimento com uma atitude totalmente diferente por trás dela. A atitude por trás disso é “Eu faço este ritual” - talvez sem ser articulado sobre isso - “para que os outros vejam o quão religioso eu sou e quão bom eu sou, e eu finjo que sou uma pessoa muito religiosa e boa.” Ou, por exemplo, pode ser feito em um espírito de uma atitude muito doentia, masoquista e fatalista de adorar uma espécie de divindade que assume a responsabilidade de si mesmo.

Com tais atitudes, se existirem, o movimento por si só não fará nada específico, a menos que você diga que qualquer tipo de movimento é melhor do que nenhum movimento. Mas então você pode muito bem ir e fazer um curso de ginástica. Mas se for combinado com práticas religiosas, é uma coisa totalmente diferente se você tiver uma espécie de abordagem física do seu corpo e da sua alma, onde você expressa seus sentimentos mais íntimos, como este grupo está fazendo agora. Isso não é hipócrita.

Não é uma coisa de faz-de-conta. É uma abordagem direta a você mesmo, ao que quer que você seja neste momento. E isso é válido. A outra é válida desde que o espírito seja bom. Mas você pode ter pessoas se curvando e ajoelhando e fazendo o sinal de oração, e não há nada por trás disso. E você pode ter outra pessoa com quem isso seja significativo porque é uma expressão honesta de uma bela atitude por trás.

 

QA178 PERGUNTA: Tenho uma pergunta sobre movimento e energia. A primeira parte é: o que é essa coisa de que os metafísicos falam como kundalini? Qual é o seu significado e sua finalidade?

RESPOSTA: Bem, é o que expliquei certa vez [Palestras # 172-173], quando os vários centros de energia do corpo do homem realmente se abrem e a energia flui de maneira livre, desimpedida e desobstruída. É apenas uma questão de semântica. É um termo usado para isso.

PERGUNTA: Este é então o número oito?

RESPOSTA: Sim, sempre deve haver um oito. Sempre. Onde a energia flui em sua forma original, em sua criação natural, ela deve criar oitos - muitos centros de energia que se sobrepõem e interagem de tais figuras.

PERGUNTA: Existe movimento, existe energia e existe consciência. Se a energia está por trás do movimento, devemos supor que este é um agente entre a consciência e o movimento?

RESPOSTA: Sim.

PERGUNTA: Se sim, e voltamos a falar sobre o mundo dos animais, onde temos movimento-energia, devemos assumir que a consciência também ocorre com os animais?

RESPOSTA: Oh, sim. De uma forma diferente.

PERGUNTA: Se sim, onde está então o elemento religião / Deus, quando nesta sequência? Onde está a diferença dessa perpetuação das perguntas ao movimento dentro do animal e dentro do homem?

RESPOSTA: Veja, é um grau de manifestação da consciência. A vida animal manifesta uma consciência reduzida, onde a energia não é necessariamente um produto direto da consciência manifestada, mas um produto de sensações e reações. A energia vem de reagir, de expressar, de perceber, de experimentar, de sensações. Mas a consciência se manifesta em um grau muito menor de autoconsciência do que em um ser humano. Mas isso não significa que de uma forma não manifestada, a consciência não esteja lá.

Próximo tópico

Compartilhe