Conceitos freudianos

QA148 PERGUNTA: Fiquei um pouco confuso com a declaração na última aula [Aula # 148 Positividade e Negatividade como Uma Corrente de Energia] que diz: "Cada situação difícil da vida representa uma fixação sexual no íntimo da psique que o homem teme e da qual foge." Vou pular algumas linhas e continuar um pouco mais tarde: “Quando você encontrar o paralelo entre o problema externo e a corrente de prazer em sua sexualidade, você será capaz de fazer a energia congelada fluir novamente.”

Agora, isso parece me lembrar exatamente da teoria freudiana que diz que as pessoas ficam sexualmente fixadas em algum momento da infância ou adolescência. Eles são então incapazes de experimentar um prazer positivo por causa da situação que é impossível de satisfazer de uma forma normal e regular. Portanto, o objetivo da psicoterapia é remover essa fixação para fazer a energia fluir nos canais normais e, assim, tornar a pessoa inteira. Se isso for exatamente igual, então me pergunto por que talvez tenhamos andado tanto por aí em vez de ir diretamente ao cerne da questão, que é Freud.

RESPOSTA: Não, não é bem assim. Não entrarei em detalhes agora em que medida é, seja em conceito, seja em abordagem ou técnica, semelhante ou diferente. Esta não é a questão aqui. O mal-entendido surge sobre o que é concebido como sexualidade.

A sexualidade assumiu uma conotação muito específica com a maioria dos seres humanos, um aspecto muito limitado da experiência de vida. Nesse sentido, se for interpretado dessa forma, sua confusão ou sua pergunta seriam compreensíveis.

Mas quando falamos do princípio do prazer no cosmos, muito, muito mais se entende por ele. É um princípio onipresente e criativo sobre o qual tudo é governado e cuja manifestação limitada na experiência de vida do homem é chamada - recebe o nome de sexualidade.

Se você puder vê-lo desse ponto de vista, verá que ele é muito mais do que o conceito freudiano. O conceito freudiano tem muito dessa verdade, mas não vê esse fato ou esse fator como totalidade da Criação. Ele não vê que há uma interação - e isso não torna conveniente ir diretamente a este ponto porque este núcleo profundo não é fácil de experimentar.

Muitas camadas externas devem ser removidas, muitas camadas onde o homem fica impressionado com os equívocos do que chamamos de imagens, muitos aspectos da psique onde o homem viola seus próprios princípios mais íntimos, onde nega o verdadeiro eu com seus consciência real - em oposição aos aspectos sobrepostos, alienados e falsos da consciência - onde ele tenta viver de acordo com ideais sobrepostos que parecem convenientes para sobreviver.

Todas essas áreas devem ser exploradas e reconhecidas - e até certo ponto soltas - antes que esse núcleo possa se tornar uma realidade interior viva. Não vale a pena discutir isso como uma teoria se não houver possibilidade de experimentá-la.

Somente quando isso for experimentado, a diferença que você levantou aqui se tornará muito aparente. Portanto, uma compreensão teórica desta questão é inútil; na verdade, pode até ser um obstáculo.

PERGUNTA: Então, o que você quer dizer com isso é que Freud cometeu um erro quando ele ou seus discípulos interpretaram a libido em termos puramente sexuais, estritamente sexuais - porque é um tipo de energia mais amplo?

RESPOSTA: Bem, eu não diria um erro. Foi apenas uma visão, e pelo que diz, há muita verdade nisso. Mas talvez seja uma visão muito exclusiva e unilateral. É nas camadas mais superficiais onde se pode realmente falar da sexualidade humana, e não entendê-la desde a realidade cósmica, onde o problema sexual não é o problema básico.

A partir desse ponto do problema básico, é sempre uma violação do seu eu mais íntimo, uma alienação do seu eu mais íntimo, uma negação dos seus melhores princípios e potenciais. E desse ponto de vista, a sexualidade humana é apenas um aspecto, como muitos outros. Portanto, usar o sexual como um modo exclusivo de cura seria limitado e daria resultados limitados.

Mas o nível em que discuti isso é muito mais amplo. Até deixei bem claro e tentei evitar, exceto em certo contexto, a palavra sexualidade, falando sobre o princípio do prazer, o princípio do prazer cósmico do qual todo ser vivo faz parte.

A única conexão em que usei a palavra sexualidade foi que, do ponto de vista humano, esse princípio do prazer cósmico se manifesta na sexualidade humana; e foi a única ocasião em que usei a palavra sexualidade para fazer uma distinção ali. Isso está claro de alguma forma?

PERGUNTA: É claro, mas ainda não consigo conciliar isso com o texto da palestra, no sentido de que quando você diz que a fantasia sexual mais secreta do homem é chamada de segredos de seu conflito - em outras palavras, examinar as fantasias sexuais ou o ato sexual, a pessoa realmente descobriria o que há de errado com a pessoa. Esta é a minha confusão.

RESPOSTA: Eu diria duas coisas aqui. Em primeiro lugar, no que diz respeito a você pessoalmente, eu o aconselharia - e eu deixei isso claro na última aula também - a arquivar o problema onde você não o entende como um conceito teórico, e espere até trabalhar em você mesmo.

Eu garanto a você - garanto-lhe absolutamente - que você o compreenderá quando realmente compreender em si mesmo. Mas, acima e além disso, direi isso aqui agora. Se você vir as ações do homem - todas as suas ações, toda a sua experiência humana - como uma representação simbólica de sua realidade psíquica, o que eu disse pode se tornar mais compreensível para você.

Você deve se lembrar que, no passado, intermitentemente, como mencionei neste trabalho, será muito útil quando certas experiências de vida ou certos padrões da vida de um indivíduo pudessem ser abordados como um sonho e interpretados como um sonho.

Sua natureza simbólica será então percebida, talvez primeiro intuitivamente sentida e depois vista. Também deixei claro no passado que a vida factual e material do homem é um símbolo de sua vida interior e não, como muitos seres humanos acreditam, que as realidades internas são um símbolo ou um símbolo de sua vida exterior.

Talvez um dos aspectos mais importantes do que explico nesta palestra seja quase o oposto da abordagem freudiana. Se você vir a vida ou a situação de vida do homem como um símbolo de sonho, como uma fantasia, entenderá o que quero dizer.

 

QA161 PERGUNTA: Muitas religiões - incluindo, é claro, religiões recentes - visam a uma consciência do universal de uma forma semelhante ao que você está dizendo. Já que tanta concentração neste Caminho é colocada no que chamamos hoje de psicológico, como essas pessoas, centenas ou milhares de anos atrás, foram capazes de alcançar o que, eu deduzo de seus escritos, era um estado muito semelhante ou mesmo - usando um método completamente diferente, sem qualquer terminologia moderna que usamos?

RESPOSTA: Em primeiro lugar, se você esquecer o termo psicológico, ou mesmo algumas palavras que são usadas hoje, e se você realmente examinar o caminho individual de uma pessoa que atingiu a autorrealização, processos muito semelhantes prevalecem, embora o a terminologia pode ter sido muito diferente.

Mas ele também teve que enfrentar as forças inferiores nele. Ele também precisava descobrir seu significado. Não é tão diferente como se pode acreditar. E me atrevo a dizer, se você fosse, digamos, daqui a cem ou duzentos anos, fazer um resumo desses ensinamentos e enfatizar o resultado final - e você também não teria os termos de línguas talvez então modernos - você diria: "Bem, como é que você poderia realizá-lo sem o que temos hoje?" Agora, essas são apenas palavras. É uma questão de semântica.

Mas a verdadeira auto-realização não pode vir a menos - sejam quais forem as palavras que você use, de uma forma ou de outra - você transcenda o chamado eu inferior, você tenha a coragem de enfrentá-lo e admiti-lo em si mesmo. Essas são qualidades espirituais sem as quais a auto-realização não pode existir: a qualidade espiritual de enfrentar a verdade em si mesmo; a humildade de não fugir e admitir; a veracidade e o senso de proporção de se ver como se é agora.

Essas atitudes espirituais devem prevalecer, não importa quais palavras você use. Mas muitas vezes na religião, o resultado final é enfatizado, e no próprio Caminho, esses aspectos são encobertos ou simplificados ou apenas discutidos de um determinado ângulo.

Em última análise, a auto-realização não é possível a menos que você fique cara a cara com você mesmo como está agora. Quer você chame isso de psicologia ou qualquer outra coisa, não faz diferença.

PERGUNTA: O que não entendo é a ênfase colocada, quase em um sentido freudiano, em coisas como odiar a mãe. Se uma pessoa, mesmo, é claro, milhares de anos atrás, estava na mesma situação, em termos de sentimentos e em todo o ambiente humano, por que nenhum desses sentimentos jamais apareceu de alguma forma, mesmo em um contexto diferente?

RESPOSTA: Por que você acha que Freud chegou a esses conceitos? Ele não os inventou a partir de hoje. Eles foram tirados de fatos antigos, históricos ou mitológicos que sempre existiram. Mas a humanidade até recentemente tinha medo de admitir esses fatos da vida.

Não colocamos a ênfase como algo sobreposto. Quando procuramos a verdade, isso vem à tona. Ao olhar para o seu próprio coração, você o vê como verdadeiro. Você não encontra isso em você por causa de qualquer ensino ou postulação que alguém tenha feito. Você descobre que isso é verdade em seu próprio coração muito antes de conhecer tais ensinamentos ou qualquer pessoa chamada Freud.

Portanto, é a verdade que você encontra dentro de si mesmo, e seria errado afirmar que isso era diferente em outras ocasiões.

Próximo tópico

Compartilhe