Projeção e culpa

QA221 PERGUNTA: Em meu relacionamento com um homem, cheguei a uma situação muito difícil. Depois de mais de um ano, paramos. Estou em processo de culpá-lo por isso, porque ele vive me dizendo que não quer ir mais fundo. Tenho a ilusão de que quero ir mais fundo, e não vamos mais fundo porque a culpa é dele. Então, eu o culpo e o desprezo por ser tão superficial em contraste com o fato de eu ser muito mais profundo. E continuamos indo e voltando assim. Eu sinto que estou na verdade porque o ataco com minha honestidade com meus sentimentos negativos. Eu uso isso como um ataque ao invés de honestidade.

E então, cheguei a um ponto em que pensei, bem, não posso ir mais longe; não há esperança e eu tenho que desistir. E então, quando parei de vê-lo, senti muita dor. Eu sinto muita falta dele. Sinto falta do prazer dele, de sua companhia e da relação sexual que tenho com ele. E o que eu gostaria de pedir em sua ajuda é: vale a pena ser paciente e continuar esta relação, embora para mim neste momento pareça sem esperança? Ou devo tentar sofrer a dor de sentir sua falta e superar isso - cortar isso - e me abrir para a possibilidade de crescer e atrair outro homem com quem eu possa me aprofundar conforme eu cresço em minha honestidade?

RESPOSTA: A pergunta realmente não pode ser respondida nos termos que você fez. Vou responder à pergunta da maneira que vejo ser significativa para você, e é da seguinte maneira. Você tem que descobrir de que forma evita o compromisso e a profundidade. Você o faz de uma forma muito sutil, que não é nem mesmo tão sutil.

Tem a ver com a sua própria abordagem ao seu ser interior. Você evita o processo de aprofundamento espalhando-se em muitas áreas, por exemplo, não se entregando totalmente a um único processo. Você inicia outros processos ou continua outros processos que muitas vezes são suficientemente contraditórios ou, mesmo que não sejam contraditórios, eles tiram a energia da unidirecionalidade do processo. E é aí que você permanece em um nível superficial, mesmo que esteja lidando com espiritualidade, por assim dizer.

Então você não vê isso. Você não vê como evita o compromisso. Então você projeta esse aspecto de você mesmo e culpa. Você não vê que essa atitude está no seu caminho para cada uma das experiências de sua vida, seja o problema de parceria ou qualquer outra coisa. É onde agora se manifesta.

Responder que “você deveria fazer isso ou aquilo” dificilmente é o ponto, porque você poderia fazer ambos, e isso poderia vir de uma atitude saudável e forte, bem como paciente e humilde. Você pode escolher uma das alternativas: permanecer nesse relacionamento ou ir para outro em um espírito de fuga e evasão. Não é o que você faz, qual das alternativas você escolhe, mas de que parte em você a escolha é feita.

Essa escolha, essa decisão, só pode ser secundária. O principal é um compromisso total consigo mesmo e em ir até o fim e dar todas as suas energias a um processo específico, seja qual for sua escolha, que o ajudará melhor a se conhecer e estar consigo mesmo em todos os níveis, e não se dispersar. Voce entende? {Sim}

Sempre há um impedimento; sempre há uma negação. Mas sempre há reservas e uma porta dos fundos, e é isso que você vivencia no relacionamento. É só porque você projeta algo que você mesmo faz de uma maneira diferente e a usa para fortalecer seu orgulho, que você deve provocar uma reação de resistência como essa.

Você pode não provocar o mesmo tipo de reação, se as palavras de verdade que você fala não forem mal utilizadas para escapar de você.

Próximo tópico

Compartilhe