Hipnose e Acupuntura

22 PERGUNTA: Os problemas psicológicos profundamente arraigados relativos a uma vida anterior podem ser resolvidos apenas pelos métodos humanos de hipnose, ou isso precisa de regressão?

RESPOSTA: Você quer dizer se certos problemas, resultantes de uma vida anterior, podem ser resolvidos sem que se tenha consciência deles? {Sim} Isso depende muito do caso. Existem muitos, muitos casos em que os problemas psicológicos podem ser resolvidos sem regressão, sem o conhecimento da encarnação particular envolvida. Há casos em que esse conhecimento é um fator absolutamente necessário, em que o problema só pode ser resolvido completamente se esse conhecimento for disponibilizado. Mas esses casos são minoria.

No entanto, gostaria de acrescentar o seguinte: somente se a pessoa em questão passar pelo mais estrito processo de autodesenvolvimento e purificação, somente se for percorrido o caminho mais íngreme e direto, esse conhecimento deve ou mesmo pode ser disponibilizado sem prejuízo. Então, o Mundo Espiritual de Deus interferirá, dirigirá e ajudará com o tempo certo e a orientação adequada e necessária, e fará com que não mais do que apenas certos setores do conhecimento sejam trazidos de volta. Caso contrário, não haveria sentido em tirar sua memória quando você nasceu neste planeta.

Tudo o que vocês ouvem hoje sobre encarnações anteriores e conhecimentos que deveriam estar tão facilmente disponíveis não deveriam ser acreditados, meus amigos. É uma das coisas mais difíceis de realizar. O mundo de Deus guarda esse conhecimento com muito cuidado. Este conhecimento nunca pode chegar a você, seja pela hipnose ou pela mediunidade, sem o Mundo Espiritual de Deus.

Este último não dará uma mão amiga se não houver uma razão espiritual muito boa. Se este conhecimento serve ao propósito de purificação posterior, então sem este conhecimento esta purificação posterior e máxima não pode ser realizada com muito sucesso. Não deve ser considerado apenas uma cura - muito menos para satisfazer a curiosidade pessoal.

Deve ser encarado como uma grande responsabilidade. A pessoa deve pensar e sentir algo assim: “Se eu aprender certos fatores sobre vidas anteriores, tenho o dever de cumprir ainda mais no meu próprio desenvolvimento e no que tenho a dar a Deus”.

Esse conhecimento deve ser o material para uma autopurificação posterior - nada menos. E antes que esse conhecimento seja disponibilizado, essa atitude já deve ser comprovada, pelo menos até certo ponto. Não será disponibilizado a menos que seja comprovado que a pessoa está seguindo este Caminho.

Agora, quanto ao procedimento técnico e prático com regressão em hipnose, aqui é meu conselho muito forte e definitivo de que nunca deve ser realizado sem Deus e Cristo. Tanto o sujeito quanto o hipnotizador devem sentir-se instrumentos e devem se render a Deus e pedir orientação e inspiração. Caso contrário, pode ser falso - e, portanto, não ter nenhum significado na vida de uma pessoa - ou mesmo perigoso.

Se for realizado na atitude adequada, o Mundo Espiritual de Deus ajudará e, entre outras coisas, mostrará ao hipnotizador como proceder. Não existem regras definidas que possam ser aplicadas a todos da mesma maneira. Depende muito do caso, do indivíduo. Portanto, tem que ser feito de forma diferente com cada pessoa. E somente os espíritos do mundo de Deus estão em posição de ver na alma para saber quanto conhecimento essa pessoa pode digerir sem choque, como o tempo e o procedimento devem ser administrados.

Somente a alma é capaz de realizar esta operação. Isso pode acontecer se o hipnotizador estiver aberto a essa orientação e inspiração. Esse hipnotizador também terá de passar por um treinamento específico desse tipo. Esse tipo de hipnose deve ser tratado de maneira totalmente diferente da hipnose comum. E nunca, nunca se deve começar com a hipnose.

Só depois de muito progresso ter sido alcançado por outras abordagens em problemas psicológicos que podem ser tratados sem tal regressão - na purificação, na descoberta das tendências subconscientes com o propósito de harmonia na alma - somente depois de algum progresso considerável de desenvolvimento espiritual, maturidade emocional e estabilidade, só então esse tratamento deve ser iniciado - se Deus deu a resposta, como sempre, neste assunto, assim como em outros. Eu ficaria muito feliz, ocasionalmente, em dar conselhos de uma forma mais específica.

 

67 PERGUNTA: Eu quero perguntar sobre hipnotismo. Ultimamente, tem havido muitos comentários na imprensa sobre os possíveis efeitos nocivos sobre os assuntos hipnotizados. Você pode nos contar um pouco sobre isso?

RESPOSTA: Naturalmente, pode ter efeitos nocivos. O mesmo se aplica a qualquer outra coisa. O hipnotismo não é bom ou ruim por si só. Depende de como é usado. Muitas considerações desempenham um papel na determinação se é ou não prejudicial. Por exemplo, se motivos não reconhecidos, egoístas e vãos desempenham um papel, o efeito pode ser ruim. Na verdade, motivos egoístas externos, totalmente reconhecidos pelo hipnotizador, podem ser menos prejudiciais do que os não reconhecidos.

Portanto, uma pessoa que pratica o hipnotismo para explorar os outros pode, às vezes, causar menos danos do que a pessoa que tem consciência dos melhores motivos, mas inconsciente de certas inseguranças, causando um determinado temperamento para aliviar essa insegurança por meio do ganho de poder sobre os outros.

Isso não se aplica apenas aos campos da psique, é igualmente importante para qualquer tipo de professor ou pessoa que tenha influência sobre os outros. E, no entanto, o mal não pode acontecer a outra pessoa cuja vontade interior não o suscite devido a tendências autodestrutivas. A autodestrutividade sempre saberá como encontrar a destrutividade. Se necessário, ele conseguirá espremê-lo de uma pessoa que, de outra forma, tem um mínimo, mas, neste caso particular, desdobra o máximo de que é capaz porque foi desencadeado pela autodestrutividade.

Essas são as leis e mecanismos aparentemente misteriosos, mas na verdade muito reais, das forças psíquicas. Esse conhecimento lhe dará uma noção da aparente contradição, o enigma para descobrir como, por um lado, você deve ser cauteloso e se sentir responsável, enquanto, por outro lado, você deve saber que nada de adverso pode acontecer arbitrariamente. Mas isso não deve fazer com que você mergulhe descuidadamente.

Portanto, sempre voltamos à importância da autocompreensão. Você não precisa estar livre de todos os seus conflitos para poder ajudar outras pessoas. Se isso fosse necessário, ajuda não existiria nesta esfera terrestre. Mas a ajuda máxima existe em conjunto com uma liberdade interior máxima. A consciência dos próprios obstáculos e de sua natureza exata já é muito - e rara.

Quanto ao hipnotismo em si, também depende de como e para que fim ele é usado. Pode ser útil de várias maneiras. Mas há aspectos dela que são prejudiciais, mesmo que o hipnotizador preencha os requisitos declarados. Por exemplo, os sintomas que serviriam à pessoa para encontrar a causa podem ser hipnotizados. Isso pode se aplicar tanto a sintomas físicos quanto emocionais.

Se o hipnotismo for usado apenas para tornar a vida mais agradável no momento, sem tentar encontrar as causas subjacentes, então ele não é construtivo. Se for usado, no entanto, para dar certo alívio enquanto ainda se encontram as causas internas, ou se for usado com o objetivo de aumentar o autoconhecimento, então pode ser construtivo. Tudo isso exige compreensão e discriminação, julgamento - e certamente um grau máximo de maturidade e liberdade dos próprios conflitos.

PERGUNTA: Eu também queria perguntar sobre os efeitos da sugestão pós-hipnótica. Isso é algo que perdura?

RESPOSTA: Não, não dura, não se não for constantemente renovado. Tudo o que não faz parte da natureza de uma pessoa não pode perdurar. Não se esqueça, nada mais é do que sugestão. Uma sugestão seguida sem fazer parte da personalidade não pode ter um efeito duradouro. Existem muitas outras maneiras, métodos, sistemas que operam pelo poder da sugestão - muitos movimentos metafísicos fazem exatamente isso. Tem que ser constantemente refeito, caso contrário se desgasta. Cada vez que é renovado com força, um esforço interno mais forte é necessário, o que cria uma tensão interna.

A melhor maneira de fazer isso é descobrir por que aquilo que é desejável não pode ser produzido naturalmente pela própria personalidade, sem que os efeitos pós-hipnóticos sejam necessários. Se isso puder ser respondido e explorado ao fundo, de modo que ocorra uma compreensão e uma realização mais profundas, nada impedirá a produção do estado mais feliz ou mais desejável que, de outra forma, seria produzido pela sugestão. Mas aqui também há exceções, é claro. Existem casos em que a sugestão pós-hipnótica pode ser construtiva e frutífera.

PERGUNTA: O que determina a suscetibilidade do sujeito à hipnose?

RESPOSTA: O poder de deixar ir. O poder de desistir de si mesmo com todas as suas defesas. Um mau sujeito o tempo todo se apega aos corpos sutis, geralmente por causa de um medo desconhecido. Se, entretanto, uma pessoa é um assunto ruim apenas em certos momentos, os motivos podem ser variados. Um dos motivos pode ser a falta de confiança no hipnotizador, embora isso possa ser totalmente inconsciente. Ou pode ser que um problema não resolvido, um desvio inconsciente do hipnotizador, possa afetar particularmente uma pessoa por causa de uma correspondência.

Assim, ser um mau sujeito pode, às vezes, ser um mecanismo de defesa saudável e inconsciente. Com uma pessoa que é sempre um sujeito ruim, indica um apego forte, um medo geral e uma desconfiança na vida como um todo, que se manifesta dessa forma. Pode não ser importante ser um bom assunto, mas pode ser apenas um sintoma entre muitos outros. Por favor, não simplifique demais acreditando que todo aquele que é um bom sujeito está livre de tal apego a si mesmo, não tem medo ou desconfiança da vida. Os medos podem se manifestar em outros aspectos.

Uma pessoa que é um assunto muito bom pode possuir correntes prejudiciais. Pode ser uma indicação de algum desequilíbrio. Pode haver uma forte tendência inconsciente de perder o poder sobre o eu porque a mente consciente se agarra com muita força. Isso pode afligir o senso intuitivo de discriminação. Uma pessoa saudável cooperaria em alguns casos e não em outros.

PERGUNTA: Conforme você explica, parece desejável tornar-se um sujeito hipnótico.

RESPOSTA: Eu não digo isso, nem digo que seja mesmo necessário. Acabei de dizer que em muitos casos não é desejável. Mas a incapacidade de ser hipnotizado é um sintoma de uma condição a ser examinada. A mesma condição também pode produzir outros sintomas. É importante eliminar a causa, não por causa da hipnose, mas porque ela indica algo.

Essa rigidez interna produz efeitos nocivos em outras áreas da vida que são importantes para a pessoa. Não estou dizendo que você precisa ter como objetivo se tornar um bom sujeito hipnótico. Isso em si pode ser totalmente sem importância. Mas se você sabe que é esse o caso, considere-o um sintoma, sem se deter na própria hipnose.

PERGUNTA: Você quer dizer uma pessoa que deseja ser hipnotizada e não pode?

RESPOSTA: O termo “assunto ruim” se aplica a pessoas que não podem, mesmo que queiram. Bem, como eu disse, para a maioria das pessoas pode ser totalmente desnecessário experimentar a hipnose. Eles podem passar a vida sendo perfeitamente felizes e saudáveis ​​sem isso.

A questão não é necessariamente se tornar um bom sujeito. A questão é que, se uma pessoa nunca pode ser hipnotizada, isso pode indicar uma rigidez que deve ser removida por outras razões, assim como ser um assunto bom demais pode indicar outra coisa que deve ser removida.

PERGUNTA: Você diria que, em geral, devemos desconsiderar a hipnose?

RESPOSTA: Não, eu também não digo isso. Eu disse que pode ser construtivo se for devidamente compreendido, usado corretamente e se servir para resolver os conflitos internos de alguém até certo ponto, ou se a personalidade do hipnotizador for livre até certo ponto, sem compulsões, sem medos, sem incertezas, sentindo facilidade com a vida e as pessoas.

PERGUNTA: Se o hipnotizador tem que ser livre e o sujeito tem que ser livre, parece haver muito a cumprir antes que isso se torne possível.

RESPOSTA: O sujeito não precisa ter essa saúde interior. O sujeito pode buscar ajuda para se tornar livre. Em alguns casos, a hipnose ajuda nessa direção. Uma pessoa pode ser um “bom sujeito”, mas ainda precisa de ajuda de muitas outras maneiras. Como eu disse, ser um bom sujeito não significa ser emocionalmente saudável e ter liberdade interior.

A mesma coisa se aplica a um analista que também precisa ser relativamente livre e emocionalmente maduro. Um analista, assim como um hipnotizador, não precisa ser completamente perfeito e purificado, mas um certo grau de equilíbrio interior deve existir, pelo menos com a consciência de onde estão as principais dificuldades do eu. Quanto ao paciente, ou sujeito, basta a vontade de ir junto. A vontade externa é insuficiente em qualquer dos casos. A disposição interna deve ser maior do que a resistência interna. Caso contrário, o sucesso é impossível.

Para deixar bem claro, saber onde e por que ainda não se está livre é muito importante e o hipnotizador pode ajudar, mesmo quando se depara com um problema na matéria que também tenha. Então, a ajuda que o hipnotizador dá também ajudará em seu próprio problema. E, por meio da autoajuda, o hipnotizador ajuda ainda mais a outra pessoa.

Para fazer isso, é preciso estar ciente do conflito para começar. Se essa consciência não existir, não será possível dar ajuda, pelo menos neste conflito particular que pode muito bem ser o mais importante para o paciente. Você não precisa ter superado todos os seus conflitos antes de poder ajudar os outros, mas tem que entender sua essência.

PERGUNTA: Quando um hipnotizador sabe que está pronto?

RESPOSTA: Eles sabem disso depois de experimentar certos avanços importantes, certas vitórias, certos alivios, ter perdido certos medos, uma autoconfiança que não tinham antes, timidez que superaram e, acima de tudo, a plena compreensão de seu próprio interior conflitos.

Quando eles podem encontrar um denominador comum para todos os seus vários sintomas e problemas - não por um processo de pensamento laborioso, mas porque tudo está se encaixando como se por si só como resultado do trabalho que foi concluído - então eles sabem que estão prontos .

 

QA188 PERGUNTA: Você pode comentar sobre hipnotismo e acupuntura como formas de terapia para aliviar a dor, ou o próprio processo?

RESPOSTA: Todas essas podem ser ferramentas úteis, mas só podem ser úteis se forem reconhecidas como tal e não interpretadas como abordagens diretas para a cura. Porque em qualquer uma dessas duas orientações, a personalidade está em um estado passivo. E, como tal, não pode ser curado.

Nenhuma terapia pode ser verdadeiramente curativa, a menos que a entidade esteja ciente de sua responsabilidade, de usar suas próprias energias, de se reativar, de voltar a si mesma, de perceber que está fazendo isso. A menos que esse seja o resultado, essas ferramentas não são ferramentas, mas obstáculos. Mas se forem usados ​​com o entendimento adequado, podem ser usados ​​exatamente para esse propósito.

Por exemplo, a personalidade em estado de hipnotismo pode ser impressionada com essa necessidade. Ele pode ser ajudado a ativar o que o bloqueia. Portanto, nesse sentido, esta pode ser uma ferramenta útil. A mesma coisa sobre a acupuntura, de uma maneira diferente, em que os bloqueios de energia podem ser removidos de fora desses tratamentos - mas com o propósito explícito de que a entidade ou a personalidade seja então mais capaz de usar as rédeas de sua vida. Novamente, a resposta não é “é bom” ou “é ruim”. Depende de como está sendo usado.

Eu percebo que esta constante volta ao ponto central deve se tornar, às vezes, irritante para muitos de vocês, não porque seja monótono, mas porque a alma se opõe a isso e quer panacéias, quer algumas ajudas milagrosas onde isso pode ser evitado, mas infelizmente não funciona assim.

Próximo tópico

Compartilhe