Regras Geral

94 PERGUNTA: Você não definiu exatamente piedade e compaixão, pelo que me lembro, e gostaria de saber um pouco mais sobre a diferença entre as duas. Parece-me que, no trabalho que você prescreve, quanto mais nos reconhecemos e nos entendemos, mais somos capazes de agir de acordo com uma regra, ou seja, viver juntos. Além disso, quanto mais fazemos nesse trabalho, nos tornamos menos humanos e mais parecidos com máquinas. Acredito que a essência da humanidade é a piedade e, na verdade, a autopiedade, porque se uma pessoa não tem autopiedade, ela não é egoísta. Se uma pessoa não é egoísta, ela não é humana, ela é um deus. Esta não é uma consideração mental ou intelectual, mas algo que sinto.

RESPOSTA: Em primeiro lugar, não acho que seja necessário repetir a diferença entre compaixão e pena. Eu o defini suficientemente na palestra [Aula # 94 Pecado e Neurose - Unificando a Divisão Interior] Se você ler, não terá dificuldade em entendê-lo. No entanto, se a questão ainda permanecer em aberto, terei o maior prazer em respondê-la.

Quanto ao resto de sua pergunta, ela contém uma série de confusões e mal-entendidos, por exemplo, que no âmago de cada ser humano existe pena, na verdade, autopiedade. Não, isto não é verdade. Piedade ou autopiedade é o resultado, ou o sintoma, nem mesmo do âmago, mas de outro sintoma. Muitas atitudes e aspectos do ser humano fazem parte de uma reação em cadeia. O núcleo é o eu real - e este certamente não age de acordo com nenhuma regra, seja geral, externa ou mesmo rígida. A natureza do núcleo é flexibilidade e individualidade.

Embora seja humano ser egoísta, também é humano ser altruísta. Embora seja humano ter autopiedade, também é humano não tê-la. Não é que um seja humano e o outro divino. Ambos são humanos. É o mesmo com o egoísmo como com qualquer outra característica. Existe um tipo saudável e também um tipo prejudicial e destrutivo. Sua confusão aqui surge da ignorância, em que você acredita que se espera que desista de qualquer tipo de egoísmo. Portanto, você se rebela e não pode aceitar desistir nem mesmo do tipo de egoísmo que é destrutivo para você e para os outros.

Além disso, se você acredita que o resultado deste trabalho é primeiro se conformar a uma regra e, segundo, tornar-se como uma máquina, eu gostaria de dizer que você nem mesmo compreendeu os elementos rudimentares mais básicos deste trabalho. É hora de você, com sua boa inteligência, entender isso, pelo menos em seu cérebro. Pois a verdade é o extremo oposto do que você afirmou aqui.

É significativo, e se aplica a todo ser humano, independentemente da inteligência, que sempre que alguém resiste a compreender algo, não apenas não ouve os pontos que não deseja ouvir, mas na verdade muitas vezes ouve exatamente o oposto. A essência desses ensinamentos e do método de trabalho é libertá-lo de regras predefinidas e ajudá-lo a se tornar um verdadeiro indivíduo. Na palestra desta noite, este ponto foi novamente enfatizado de um novo ângulo.

Você está sob o conceito errado de que a bondade é monótona e insípida, que não tem variação, individualidade, humor, prazer e inteligência. Você atribui tudo isso à maldade. Como você está errado! A bondade é tão diversificada quanto a maldade. Só que tem mais humor, individualidade, prazer, porque na saúde e na maturidade - o que equivale ao bem - você é mais capaz de se expressar, tem uma experiência mais aguda e tem um espaço de vida mais profundo e amplo.

Você confunde bondade com bondade que, se analisada, é o extremo oposto da primeira. Em essência, o que é bom e bom é outra faceta da maldade que parece tão desejável para você.

Nesta palestra, mencionei, entre outras coisas, que às vezes é melhor cometer um erro, se vier do seu eu real, do que obedecer a regras e princípios quando você não está de acordo com eles. Não é significativo que você ouça exatamente o oposto? Isso não mostra algo de vital importância em sua atitude em relação a si mesmo? Você entende, meu amigo?

PERGUNTA: Sim, entendo suas palavras. Mas, veja, o que então se torna uma regra é que eu, ou nós, ou a humanidade, devemos ter como objetivo tornar-nos você mesmo. Então esta é uma regra.

RESPOSTA: Não. Você pode escolher permanecer infantil, se desejar. Você não tem que crescer. Mas se você deseja crescer e viver uma vida construtiva e plena e deseja realizar a maior parte de seus potenciais, então você deve se tornar você mesmo. Mas a escolha deve ser feita por você.

PERGUNTA: Eu entendo. Então, há uma outra questão. Por que então essas pessoas avançadas, digamos, pessoas que já estiveram neste Caminho por algum tempo, fazendo este trabalho, percebendo-se, atirando grilhões, tornam-se capazes de suportar o que nenhum ser humano deseja, como o de outra pessoa maus modos? Agora, eu não acho que seja honesto ou objetivo. Isso me parece uma máquina.

RESPOSTA: Há outra confusão aqui, meu amigo. A resposta é muito simples. O crescimento, a maturidade, o desenvolvimento tornam-no capaz de resistir, se for preciso, ao que é incapaz de mudar. A maturidade permite que você desista e deixe ir o que você não tem que suportar. Isso é algo que a pessoa imatura não pode fazer; o insuportável torna-se assim um problema para ele. Você se rebela contra o que não pode mudar porque está fora de seu controle. Se você acredita que sua rebelião alivia a dificuldade, está muito enganado. Muito pelo contrário, é verdade.

A pessoa madura pode pegar o que tem que pegar, sem ser esmagada. Ele ou ela até se beneficiará com isso. Isso certamente não transforma ninguém em uma máquina. Seria mais apropriado chamar a pessoa em perpétua rebelião de máquina - e ineficaz - que constantemente sopra vapor sem rumo na atmosfera.

Isso esgota as forças de uma pessoa, de modo que ela se torna incapaz de mudar o que poderia mudar - o que não está além de seu controle. Ele não sabe que poderia fazer isso, e até mesmo não quer, porque preza a pseudo-individualidade do rebelde perpétuo. O que o faz acreditar que você é mais um indivíduo e menos uma máquina, quando grita e luta constantemente onde não há razão para isso?

O que te faz acreditar que a pessoa é uma máquina que enfrenta um problema de frente e, ao descobrir que aqui está algo que ela não pode mudar, vai com a corrente, guardando assim suas forças para as questões em que pode fazer uma mudança e assim fazer sua vida mais significativo?

Deixe-me separar de você com bênçãos muito especiais nesta época do ano, honrando o maior ser que já viveu, o ser que ensinou, viveu e morreu por toda a verdade transmitida repetidamente de tantas maneiras diferentes, desde sua Terra começou a existir - Jesus Cristo.

Seja abençoado nele; fique na paz. E que o seu futuro caminho o faça perceber que seus ensinamentos, bem como quaisquer outros ensinamentos da verdade, não procuram fazer você se conformar, apaziguar, curvar-se e aceitar algo contra sua vontade e convicção, transformando-o em fantoches e bonecos -Goodies. Pelo contrário!

Se você realmente compreender e seguir seus ensinamentos e certos aspectos de sua vida, descobrirá que é assim. Que ele - assim como qualquer outro expoente da verdade - é totalmente oposto ao que o rebelde mais teme - o conformador bonzinho. Ele não apenas ensinou isso, mas também o viveu. Observe, observe a si mesmo e aos outros. Vá mais fundo neste trabalho.

Olhe para as poucas pessoas que você pode conhecer que já cumpriram uma parte dessa meta, e você verá que isso é verdade: quanto mais desenvolvida espiritual e emocionalmente uma pessoa é, mais ela está viva, um indivíduo distinto, e não uma máquina divorciada de cordialidade, coragem e humor. O verdadeiro eu de cada indivíduo é o oposto daquilo que você teme e se rebela.

 

95 PERGUNTA: [Mesma pessoa da pergunta anterior] Hesito em fazer qualquer pergunta devido à recente agitação que minhas perguntas trouxeram. Parece que eles não são considerados exatamente inteligentes. Antes de fazer minhas perguntas, gostaria de perguntar-lhe, francamente, se almas mais altamente desenvolvidas estão empregando uma razão que eu não sou capaz. Porque, a menos que estejamos falando em um terreno comum, infelizmente não temos meios de comunicação uns com os outros.

RESPOSTA: Meu caro amigo, em primeiro lugar, acho que ninguém pode dizer que, quando alguém não entende algo, isso indica falta de inteligência. As pessoas mais inteligentes são bloqueadas onde têm problemas. A inteligência que existe de outra forma não funciona aqui. Isso acontece com cada pessoa - com alguns mais obviamente do que com outros - mas, ainda assim, com todos.

Não existe ser humano inteiramente livre disso. Nunca vi um ser humano em que não houvesse em algum lugar um aperto, um preconceito, uma proximidade, um medo de abrir mão de uma ideia preconcebida. Isso, é claro, se deve ao mecanismo de defesa que escolhe uma determinada vista como necessária e segura. Mas esta é apenas uma explicação. Não elimina o fato como tal. As pessoas bloqueadas entenderão mal, interpretarão mal, ficarão ansiosas e em conflito com o problema ou ouvirão o oposto do que é dito.

Apenas o grau difere, e qualquer um que julgue pode possivelmente ter a mesma condição em um grau menor ou menos perceptível, talvez em relação a um tópico diferente. Então você está em boa companhia. Talvez você possa colocar suas perguntas de uma forma mais beligerante, mas não me importo com isso e encorajo-o a fazer essas perguntas, desde que seja sincero e de boa fé, independentemente do que alguns de nossos amigos humanos possam dizer. É necessário. Isso é bom para você. E é bom para todos.

Quanto aos diferentes tipos de razão, há apenas uma razão. Não existem vários tipos. Novamente, é apenas uma questão de grau. A diferença é que o ser humano, ainda na luta humana, tem a razão prejudicada. Sua inteligência pode não estar prejudicada, mas sua razão sim. A razão vem do eu real, portanto, no grau de sua auto-alienação, nesse grau a razão não funciona. O verdadeiro eu é pura razão e puro amor. Você também pode chamá-lo de sabedoria. Um não é pensável sem o outro. Não pode haver razão ou sabedoria sem amor e vice-versa.

Portanto, todos nós temos os mesmos órgãos para nos comunicarmos. Se um ser se desenvolveu mais que o outro por conta de lutas já superadas, não significa que a comunicação seja impossível. A comunicação depende em grande medida da vontade das pessoas envolvidas. Se a vontade de entender e de se fazer entender está presente, metade da batalha acabou. Não creio que algum de vocês alguma vez tenha tido dificuldade em me comunicar.

 

96 PERGUNTA: Em nossa última sessão, foi feita uma pergunta por um de nossos amigos, agora ausente, que você caracterizou como beligerante, mas que respondeu lindamente. Essa situação surge para mim repetidamente em diferentes graus. Por exemplo, às vezes fico impaciente com pessoas que não aceitam a verdade como eu a descobri. E alguns de nós, em nossas discussões, demonstramos o mesmo tipo de impaciência. Será que você poderia nos dizer como lidar com esse tipo de situação?

RESPOSTA: Esta questão importante e universal só pode ser tratada com a compreensão do seguinte. Essa impaciência pode vir de uma variedade de fontes internas. Um é uma distorção da boa vontade. Com isso, vem a urgência da corrente forçada. Outra razão pode ser a necessidade de convencer os outros, porque você mesmo pode não estar realmente convencido.

Ainda outra razão pode ser o sentimento, vago e oculto, de que a própria felicidade depende de todos os outros serem verdadeiros. Outra ainda é um sentimento de inadequação ao não ser capaz de alcançar ou persuadir outra pessoa. Estas são as razões subjacentes mais importantes. Cabe ao indivíduo descobrir quais e quantas dessas razões são verdadeiras. Somente uma auto-investigação sincera fornecerá a resposta e, portanto, não apenas aliviará a tensão, mas levará a novos insights importantes.

Às vezes, você descobrirá que fica mais impaciente quando outra pessoa não entende o que você mesmo não entendeu há muito pouco tempo. Muitas vezes, você pode ser muito mais tolerante com o conhecimento seguro que sempre teve. A pressa em convencer outra pessoa costuma ser um reflexo de sua impaciência consigo mesmo. Sua não aceitação da imperfeição deste mundo, com o lento processo de lutar, agarrar e se afogar, está no centro de sua impaciência.

Para lidar com essa condição, como sempre, é importante não afastar esses sentimentos e se iludir com uma serenidade que não é genuína, mas reconhecer todas as emoções de pressão, impaciência, forçar, intolerância, pressa e aprender com eles. Porque eles estão aqui? O que está por trás deles? O que eles significam sobre uma condição interna que você pode não ter reconhecido totalmente? Se você observar quando essas pressões existem e quando não existem, e analisar as razões para isso, você pode fazer algumas descobertas surpreendentes sobre si mesmo. Por que certas questões incomodam você e outras não?

PERGUNTA: Às vezes não é diferente com pessoas diferentes? Quer dizer, se você sentir que alguém gosta de você, você fica mais relaxado e vice-versa?

RESPOSTA: Sim, claro. Sempre há muitas correntes mútuas envolvidas. Em outros casos, você pode ficar mais relaxado com alguém por quem não sente nenhum vínculo de afeto do que com alguém de quem se sente próximo. Existem tantas correntes ocultas mútuas envolvidas, mas somente à medida que você crescer em seu verdadeiro eu, você as compreenderá em sua verdadeira luz. Mas, como você sabe, o crescimento para a individualidade não pode ocorrer a menos que você esteja muito ciente do significado de suas próprias reações emocionais.

Próximo tópico

Compartilhe