True Religion

88 PERGUNTA: Você poderia explicar o que é a verdadeira religião, em comparação com a atitude errada? Onde entra a fé em Deus se você não sente que ele é uma ajuda? Eu simplesmente não consigo entender isso.

RESPOSTA: Você sentirá que Deus é uma ajuda quando você chega à religião verdadeira depois de abandonar a muleta, mas em um sentido completamente diferente. Agora você precisa da ajuda de Deus porque se torna indefeso. Então você sentirá a ajuda de Deus porque perceberá a perfeição do universo e suas leis, das quais você é parte integrante e contribuinte. Você sentirá que é a força motriz de sua vida. Você pode ajudar a si mesmo se realmente quiser, se estiver pronto para sacrificar algo.

Digamos que você deseja a felicidade em uma determinada direção - e isso não é um sentimento vago, mas um objetivo claramente definido. Você procurará e descobrirá como evitou essa felicidade até agora, e o que agora pode fazer para obtê-la com seus próprios esforços. Você entenderá o que isso exige de você e caberá a você atender a essas exigências porque decidiu que elas valem a pena ou abster-se delas. Mas não haverá uma sensação corrosiva em sua alma de que você é uma criança negligenciada e tratada injustamente.

A verdadeira religião é maturidade espiritual e emocional. O papel de Deus não é fornecer coisas que você não deseja obter para si mesmo. Mas a consciência de Deus revelará a você que o mundo dele é maravilhoso e que você tem muito mais poder do que já percebeu, bastando colocá-lo em movimento removendo seus próprios obstáculos à realização.

A falsa atitude religiosa surge quando você pede a Deus para ajudá-lo a superar uma dificuldade em sua vida e então você se senta e espera. Você não examina suficientemente por que tem essas dificuldades. Você pode fazer isso peremptoriamente, porque outra pessoa em posição de autoridade lhe disse para fazer isso.

Mas, mesmo enquanto tenta fazer esse exame, tende a tentar provar que não tem nada a ver com as dificuldades. Acabou de cair sobre você sem merecimento, e não há como escapar disso, a menos que Deus intervenha com um ato de graça. Você não reúne a vontade e o vigor interior para descobrir como pode realmente obter o que deseja com sua própria criatividade.

Deus está em você. As forças divinas estarão em você se você as mobilizar, em vez de esperar que venham de fora. E a mobilização dessas forças só pode acontecer se você abandonar alguma atitude prejudicial, algo destrutivo que, novamente, depende de você descobrir. A força e a segurança advindas dessa atitude lhe darão um relacionamento totalmente diferente com Deus, bem como um conceito de Deus totalmente diferente. Emocionalmente, as palavras muitas vezes permanecem as mesmas, mas o conceito e o clima interno serão diferentes.

As palavras são freqüentemente as mesmas tanto para a religião verdadeira quanto para a falsa, mas a experiência interior é totalmente diferente. Tanto a religião falsa quanto a verdadeira dizem que a graça de Deus existe. Mesmo que você esteja sozinho, a graça ainda existe. Mas esse entendimento não virá até que você assuma a responsabilidade por si mesmo. Enquanto você espera que a graça de Deus compense sua preguiça e ganância humanas, você deve estar desapontado, admitindo ou não isso para si mesmo.

Então você fica magoado, com raiva e rebelde. Você então se afasta totalmente de Deus, negando sua existência no universo, ou você se considera um caso isolado de negligência, parcialmente indigno de sua graça e ajuda e parcialmente tratado injustamente. Então você se afunda na culpa e na autopiedade. Isso o torna mais dependente e desamparado - e assim o círculo vicioso continua em expiação por sua rebelião contra Deus, apaziguando-o ainda mais com obediência temerosa que é inteiramente superficial e causada pelas motivações mais doentias.

PERGUNTA: Eu entendo. Mas como podemos fazer isso? Esta imagem de Deus está tão embutida em nós depois de tantas décadas aprendendo a falsa atitude. A oração também não mudaria se descartássemos esse conceito? Tudo não mudaria?

RESPOSTA: Sim, claro. Mas veja, meu filho, você não pode dizer: “Agora vou descartar minha imagem de Deus”. [Aula # 52 A Imagem de Deus] Não é algo que você pode simplesmente decidir em sua mente. Isto não funciona dessa forma. Seu impacto emocional permaneceria se você tentasse mudá-lo por uma mera decisão externa. Para tomar uma decisão interna, o procedimento tem que ser o mesmo de sempre neste trabalho.

Encontre essas atitudes e compreenda-as mais plenamente. Se isso for feito profundamente, não apenas superficialmente, todos vocês ficarão surpresos ao descobrir o quão longe vocês foram para perpetuar à força a infância. Depois de analisar e compreender certos padrões de comportamento emocional, você perceberá como eles são absurdos; quão incompatível com sua crença consciente; quão contrário aos seus melhores interesses; quão logicamente impossível.

Depois de ver e compreender tudo isso, a mudança acontece organicamente, por si mesma, por assim dizer. Um certo período de auto-observação é necessário para obter um insight completo e, então, ser capaz de mudar.

Você deve encontrar essas reações emocionais sutis e discretas. Eles não são óbvios nem fortes. Nem estão completamente inconscientes. Eles estão lá, mas são sutis, e você está tão acostumado com eles que nem mesmo vê nada de errado. Encontrá-los e analisá-los é o primeiro passo e depois vê-los à luz desta discussão.

Isso ajudará a dissolver a imagem de Deus porque sua atitude mudará naturalmente. Você descobrirá, por exemplo, quais são realmente as suas expectativas, como reclama por dentro. Você descobrirá o que poderia fazer para tornar essas expectativas uma realidade e compreenderá por que não o fez. Este deve ser o procedimento.

O próprio fato de você estar ciente dessa imagem de Deus o torna extremamente afortunado; muitos outros nem mesmo estão cientes disso. Eles estão convencidos de que não têm nenhuma distorção a esse respeito. Eles não conectam certas reações emocionais com essa imagem de Deus, com a falsa atitude religiosa. Eles estão cheios de suas crenças conscientes corretas, enquanto seus conceitos inconscientes ainda estão muito longe da consciência.

PERGUNTA: Qual religião está mais longe da verdade?

RESPOSTA: Não se pode fazer tal declaração. Pode ser que uma denominação religiosa tenha ensinamentos mais verdadeiros, mas outra que tenha menos pode, em sua atitude geral, estar mais perto da verdade. Além de ser perigoso fazer tais comparações, a questão não é importante.

PERGUNTA: Uma das últimas palavras de Cristo foi: “Pai, seja feita a Tua vontade”. Tomado como exemplo, isso poderia significar obediência ou liberdade.

RESPOSTA: Exatamente. Como eu disse antes, as palavras geralmente são as mesmas. A verdade pode ser facilmente mal interpretada porque a essência da verdade é a vontade e a capacidade de compreender. Por exemplo, pelo que discuti esta noite, você poderia facilmente inferir que não pode haver graça de Deus. Se você deveria ser livre e independente, onde entra a graça? Você nem precisaria disso. Isso não é verdade. A graça existe.

Mas nenhuma palavra pode transmitir o conceito de graça, a menos que você tenha primeiro alcançado essa verdadeira experiência religiosa interior. Quando você não precisar mais da graça como um substituto para sua própria fraqueza, quando você deixar de tirar proveito de sua fraqueza, então você se tornará forte. Por um tempo você viverá sem qualquer compreensão da graça, mas então o verdadeiro conceito surgirá em você. Em outras palavras, esse estado provisório de solidão deve primeiro ser experimentado. Os grandes místicos a designam como a "noite escura da alma".

O ditado que você acabou de mencionar, "seja feita a tua vontade", significa, corretamente entendida, "Eu deixo de lado minha pequena obstinação, de minha visão limitada e me abro para que o divino possa vir a mim." Não virá de fora, mas de dentro, como um profundo conhecimento e certeza, mas somente se você não se desassociar dessa realização. A experiência de unidade com o divino só pode acontecer se você aprender a deixar ir, se deixar de ser rígido.

O falso significado de “seja feita a tua vontade” faz a humanidade parecer fraca e estúpida, de forma que você precisa de outro ser para agir e decidir em vez de você. Este outro ser é freqüentemente uma autoridade humana ou autoridade da igreja que afirma agir em nome de Deus. “Seja feita a tua vontade” não significa obediência; significa abrir-se o máximo possível para que a sabedoria maior se torne parte de você.

PERGUNTA: Pelo que você diz, fica claro que a religião é uma questão de cada alma individual se desenvolver até seu ponto ideal por meio de busca e auto-realização. As igrejas têm desempenhado um papel dominante por muitos anos, no entanto, parece que sua função acabaria por desaparecer.

RESPOSTA: Sim, realmente vai. Quando mais pessoas seguirem um caminho de auto-reconhecimento, crescendo e desenvolvendo seus próprios recursos, elas não precisarão mais de autoridade. Quanto àqueles que ainda não estão suficientemente longe em seu desenvolvimento, a lei humana será suficiente para proteger a sociedade de seus impulsos indomáveis ​​e destrutivos. O verdadeiro divino só pode funcionar em almas livres, e isso acontecerá. Toda a tendência da história aponta nessa direção.

Próximo tópico

Compartilhe