Auto-ódio

QA159 PERGUNTA: Observo que, ao olhar para outras pessoas envolvidas em um relacionamento, às vezes me vejo desprezando-as ou me perguntando como elas poderiam ser aceitas por outra pessoa. Isso deve estar de alguma forma relacionado ao meu próprio ódio por mim mesmo.

RESPOSTA: Exatamente. Agora, aqui está o seguinte conselho para você. No momento em que você se dá conta do ódio e da aversão a si mesmo, esse já é um passo muito importante. O próximo passo é meditar; peça a verdade a esse respeito.

É uma das demonstrações mais notáveis ​​da verdade do poder divino dentro de que, tudo o que se pede especificamente, é concedido, mas deve ser formulado especificamente. O poder divino não responde a um desejo vago e indiferente que não é colocado em palavras de maneira concisa.

Agora, é extremamente importante lembrar isso, e meu conselho aqui é, diga especificamente para si mesmo: “Estou ciente da aversão a si mesmo. Estou ciente de que sinto nojo das facetas humanas do meu corpo. Isso é um erro e para que meus sentimentos sejam verdadeiros, peço que o poder divino e a inteligência dentro de mim me ajudem a sentir a verdade, para que ao invés de ficar enojado com a manifestação divina que eu sou e outros seres humanos são, que eu acolho, estimo e honro esta manifestação divina física. ”

Esta é a tentação que sempre recai sobre o homem - não para colocar em palavras, mas para encobrir; não formular, mas de alguma forma deixar estar em um clima vago e nebuloso. Se você superar essa tentação e meditar precisamente sobre sua autoaceitação em relação ao seu ser físico, bem como ao seu ser mental e espiritual, o divino se manifestará em você e você ganhará uma nova perspectiva.

 

QA213 PERGUNTA: Confesso que me sinto muito perdido. É quase como se depois de anos lutando e tentando melhorar e crescer, eu tivesse chegado a um ponto em que de alguma forma isso não faz mais diferença. É quase como se eu tivesse examinado minha própria concepção de como seria a vida se eu conseguisse o que desejei todos esses anos - e não posso aceitar isso. Eu tenho medo disso É tédio. Para simplificar, não sei exatamente o que quero neste momento. Minha boa vontade usual é muito difícil de expressar. Acho que simplesmente não consigo aceitar a vida como ela é. Não posso aceitar as pessoas e, ao tentar ajudá-las, tenho a sensação de que são uma merda, são um lixo. Eu os desprezo em um nível. Não posso dar a alguém que desprezo e não posso dar a mim mesmo.

RESPOSTA: Você ainda projeta seu ódio de si mesmo nos outros. E é por isso que você não pode aceitar o que é bom. Já que você não pode aceitar a vida boa, você difama a vida boa e finge que é tédio. Na realidade, é tudo o mais, menos tédio. É intenso prazer, excitação - excitação pacífica - estimulação e serenidade para dar. Essa é a verdade.

Mas você difama a verdade e a torna enfadonha porque não aceita nem mesmo o seu ódio por si mesmo. Você projeta o ódio de si mesmo. E é aí que você tem que ir: você tem que ver o quanto você se odeia, em vez de sempre projetá-lo externamente. Ao ver o ódio por si mesmo, você pode orar por uma atitude mais realista em relação a si mesmo, perdão a si mesmo e verdade sobre suas percepções, até mesmo de si mesmo.

Pois suas percepções são muito distorcidas e unilaterais. Eu sugeriria que suas energias, seu compromisso, seu foco deveriam ir nesta direção: em vez de projetá-lo externamente, veja o ódio de si mesmo - mas veja-o com um grão de sal. Você nem mesmo está certo sobre isso, porque você não é tão ruim assim. Existe apenas uma parte de você que está comprometida com o ódio e principalmente com o ódio a si mesmo.

PERGUNTA: Tudo bem. Você sabe que eu já enfrentei tanto ódio, tenho medo de ir para a sarjeta se continuar enfrentando esse ódio. Tenho muito medo disso.

RESPOSTA: É o ódio de si mesmo que você precisa enfrentar. Você projeta o ódio por si mesmo no ódio aos outros. E você pode começar a orar para amar a si mesmo, para ver o que há de bom em você e não se devastar tanto. Mas você não pode fazer isso se projetar constantemente o ódio de si mesmo para fora. Você pode orar.

Sua oração deve ser: "Eu quero me perceber na verdade, não para negar o que é distorcido e feio, mas para saber que sou uma manifestação divina e ser capaz de me perdoar e amar quem eu sou para que possa expressar amor em o mundo. Tenho a capacidade de expressar amor ao mundo e invoco o poder maior de minha realidade divina para fazer isso. ” Esse é o compromisso.

PERGUNTA: Eu assumo esse compromisso tanto quanto posso agora. {Sim} Eu me comprometo a me encarar de maneira equilibrada, ver o ódio em mim, não projetá-lo, e assim poder dar o melhor de mim aos outros.

RESPOSTA: Mas veja também sua beleza. Concentre-se nisso.

PERGUNTA: Eu preciso muito disso.

RESPOSTA: Sim. Concentre-se na beleza em você.

Próximo tópico

Compartilhe