Fraternidade Branca e Deuses

QA177 PERGUNTA: Tenho uma pergunta sobre os deuses adorados pelos seres humanos através dos tempos. Sócrates falou sobre sua morte no final e pediu que um galo fosse sacrificado a um deus. O deus Ra-Ma fala através de alguém e diz que costumava ser muito adorado em todo o mundo oriental. Maomé foi adorado com muita devoção. Jesus Cristo foi adorado. Moisés. Qual é esse estado em que as pessoas adoram um ser e sentem que é um aspecto verdadeiro em seu próprio coração?

RESPOSTA: A resposta é esta. A palavra “deuses” é uma palavra. É uma expressão da semântica, e a semântica muda com os diferentes tempos e civilizações. Em outras ocasiões, a palavra espírito foi usada. Muitas outras palavras podem ser usadas. Mas o que é realmente importante é o seguinte: o espírito divino da verdade - a sabedoria divina - permeia todas as coisas vivas. É o espírito do Criador, o espírito universal do mundo.

Este espírito universal do mundo se manifesta em tudo e em todos. Sempre houve alguns seres humanos que eram muito mais purificados do que o homem comum. E, portanto, esse espírito divino poderia se manifestar de uma maneira muito menos obstruída. Este ser humano talvez já estivesse em um estado de desenvolvimento tão elevado e em um estado interno tão unificado que o espírito divino estava desobstruído. O espírito universal da verdade foi desobstruído e foi então anexado ao veículo humano, que foi então adorado.

Mas é sempre o mesmo espírito da verdade, independentemente das variações e desvios que são o resultado das estruturas erradas do ego humano que muitas vezes interpretam as coisas de certas maneiras. Mas a essência será sempre a mesma. E não está ligado a um único ser humano. Mas existem certos seres humanos que podem produzi-lo com menos obstrução. Esta é minha resposta.

PERGUNTA: Em outras palavras, essas entidades eram seres humanos?

RESPOSTA: Eles são individualizações do divino, assim como você é uma individualização. Se você está no corpo ou fora dele, não importa realmente.

 

QA215 PERGUNTA: Minha pergunta diz respeito à Fraternidade Branca, seu lugar na evolução da consciência ao longo da história e seu lugar na evolução futura da consciência.

RESPOSTA: A resposta para isso é que todos os seres separados - aspectos da consciência que estão separados do todo - precisam de ajuda e orientação daqueles que não estão separados, cuja consciência está conectada com a consciência total. Isso é o que freqüentemente, na literatura espiritual, é chamado de Fraternidade Branca, que é apenas um nome. Também podemos chamar esses seres que não se separaram ou que não estão mais separados e que, portanto, estão incorporados ao plano evolucionário.

Este plano visa reunir todas as consciências cindidas com as consciências totais. E o que você chama de Fraternidade Branca são seres que estão conectados com a consciência de tudo e que estão, portanto, na verdade e no amor e na sabedoria e na realidade e, portanto, estão equipados para ajudar. Eles pertencem a um plano maior, um plano de tremenda ordem, organização e bela estrutura, e ainda assim a estrutura é fluida.

Fluir não é antitético. Não é na dualidade onde a estrutura é rígida e o fluxo não é estruturado. Essas são as dualidades que confrontam a humanidade em sua própria divisão. Mas, na realidade, estrutura, ordem e fluxo são um. Portanto, esses seres são uma estrutura interna de imensa ordem, de uma hierarquia que é de tão harmoniosa beleza, significado e significado, onde cada ser cumpre sua tarefa de maneira perfeitamente adequada, significativa e significativa.

Agora, os seres que pertencem a esta ordem maior podem às vezes encarnar, e às vezes encarnar. Muitas vezes, eles espalham sua influência de um estado que não está no corpo material, e as influências são fortes. Sem essas influências, a humanidade não poderia, por si mesma, atingir o objetivo. Os indivíduos não conseguiam cumprir suas tarefas, porque as tentações e o poder das forças negativas dentro da alma do homem são muito fortes para superar as dificuldades, sem essa ajuda.

Porém, o peso nunca deve ser colocado sobre outros seres, embora sua existência seja uma realidade. Sempre foi uma realidade para a humanidade e sempre será uma realidade para a humanidade. No entanto, a humanidade está se desenvolvendo em direção a um estado de maturidade - ainda não está de forma alguma maduro, mas está indo nessa direção - onde o homem pode almejar fazer a conexão com seu ser mais íntimo. Os ajudantes - os seres da ordem superior, do que pode ser chamado de Fraternidade Branca, ou qualquer nome que você possa dar - ajudam nesse propósito, assim como eu os ajudo. E, no entanto, o peso não deve recair sobre a personalidade; deve estar no contato com o eu mais íntimo.

Bem, na história da humanidade, esses seres sempre desempenharam um papel - um papel muito importante. Antigamente, eles se manifestavam como - e eram chamados - os deuses. Quando o homem adorava deuses, na verdade nada mais era do que seres de alto desenvolvimento que se manifestavam, diretamente ou por meio de instrumentos humanos, como ajudantes e guias.

Eles eram reverenciados como deuses porque a humanidade, em seu desenvolvimento então, ainda estava tão desconectada do centro interno da realidade divina que tudo era projetado para fora. Mesmo a manifestação externa real foi considerada como, digamos, a salvação. Então, conforme a humanidade gradualmente, pouco a pouco, cresceu ao longo dos tempos, os deuses foram descontinuados e, com a ajuda dos professores superiores, percebeu-se que há apenas um Deus, o Deus que permeia todos os seres e toda a existência e todas as partículas de existência.

A consciência divina encontra-se em tudo o que existe, e não é peculiarmente, de forma isolada, em certos seres. Este foi um passo gigantesco na escala evolutiva. Isso, porém, não significa que os ajudantes deixaram de existir. Eles receberam nomes diferentes. Sua função era a mesma, porém: ajudar, guiar, infiltrar o mundo material separado, em seus delírios e ilusões, com a verdade. Essas verdades foram sempre e invariavelmente diluídas e distorcidas. E foi necessário para sempre um novo influxo de espírito para endireitá-lo.

Todas as religiões que começaram como uma revelação divina que mantinham sua verdade - isto é, em determinados períodos, relevantes e importantes - foram distorcidas. Foi distorcida por mal-entendido ou porque algo que era relevante uma vez ou importante ou necessário em certos estágios foi rigidamente mantido como uma verdade inflexível em períodos em que era absolutamente obsoleto e, portanto, se tornou destrutivo.

Assim, todas as ortodoxias perderam o contato com a realidade. E novos líderes religiosos, na carne ou fora da carne, tinham que vir. A humanidade - as ortodoxias - tornou-se antagônica aos reformadores ou inovadores que apenas se preocupavam em trazer outra faceta da verdade que se tornasse mais relevante.

Talvez você possa conceber o desenvolvimento da humanidade e fazer uma analogia com o desenvolvimento individual. Muitas vezes fiz essa analogia no passado. Veja, por exemplo, a criança. Uma criança pequena tem que aprender certas coisas muito básicas - as leis, as regras, os próprios tópicos - voltadas para a mentalidade dessa criança. Agora, à medida que essa criança cresce e se torna uma criança maior, esses tópicos se tornam obsoletos. Eles não têm mais nenhum significado para a idade que a criança atingiu. Precisa de um novo currículo. Precisa de novos tópicos. Precisa se expandir. Sua mente é capaz de absorver mais. E se torna cada vez mais capaz de assumir mais responsabilidades e de ver as coisas de novas maneiras.

Se tal criança insistisse em manter o que aprendeu na primeira série, quando ficar cada vez mais velha e finalmente entrar no estado quando deveria estar na universidade, seu desenvolvimento seria interrompido. O mesmo ocorre com as organizações religiosas que desejam manter verdades que já foram funcionais, mas que agora interrompem o desenvolvimento no estado atual de desenvolvimento.

Agora, o que você chama de Fraternidade Branca, são os seres na carne. Eles existem - raramente, mas existem - mas se existem, muitas vezes não são reconhecidos, pois raramente se dão ares, ou nunca. Eles são como todas as outras pessoas. Eles até têm suas próprias tarefas, em seu próprio desenvolvimento espiritual, porque entrar na carne cria uma obscuridade que pode trazer à tona matéria esquecida, residual, não purificada. Portanto, geralmente há uma tarefa, a esse respeito, conectada.

Mas a maioria dos professores superiores não se manifestam na carne. Eles se manifestam indiretamente, por meio de suas influências na psique do homem, por inspirar o homem de uma forma mais ou menos forte. E eles sempre existirão, até que a humanidade alcance seu estado final de unidade. Esta é minha resposta.

Próximo tópico

Compartilhe