Vontade de Deus e Livre Arbítrio

54 PERGUNTA: Foi apontado para alguém que tomar decisões é necessário na vida. Essa pessoa acredita que isso seria obstinação e orgulho, e que é preciso esperar pela vontade de Deus.

RESPOSTA: A humanidade sempre tende a ir de um extremo ao outro. Sabendo que um extremo está errado, queremos acreditar que o outro extremo está certo. Isso seria muito mais fácil e não haveria nada para pesar. A vontade de Deus não se manifesta tão facilmente. As leis de Deus atuam na alma.

Se as pessoas que são incapazes ou não querem tomar decisões esperam que Deus tome conta de suas decisões por elas, o que acontecerá não será o que Deus decidiu, mas o resultado de sua própria fraqueza, falta de vontade ou incapacidade de tomar decisões. É uma falácia pensar que você pode passar pela vida sem tomar decisões.

Na verdade, você toma uma decisão toda vez que respira. Não tomar uma decisão também é uma decisão, embora errada ou desfavorável. É a vontade de Deus que você se torne maduro, independente e responsável por suas decisões. De maneira nenhuma sugiro usar a obstinação. As decisões podem, mas não precisam ser movidas por obstinação. Depende inteiramente do motivo.

Quem quer que interprete a tomada de decisão livre e madura como obstinação, deve se questionar - ou ser questionado por seu Ajudador - da seguinte forma: Por que você acha que Deus deve tomar decisões por você? Deus não lhe deu livre arbítrio? O livre arbítrio não implica tornar-se uma pessoa adulta que pode tomar decisões responsáveis ​​pessoalmente? A ideia de que a vontade de Deus não pode se manifestar se você tomar decisões esconde o medo de que você seja responsável e possa ter que se culpar? Não é muito fácil não fazer nada e esperar que Deus governe sua vida?

É realmente a devoção a Deus que forma esse conceito ou há alguma outra coisa oculta por trás desse ponto de vista? Se você espera pela decisão de Deus e acaba mal, não é muito mais fácil dizer que é tudo culpa de Deus? Você pode não pronunciar essas palavras mesmo em seus pensamentos, mas é isso que você deve sentir quando se esconde atrás desta parede de uma falácia. Essas falácias muitas vezes se transformam em falsa piedade. O que em sua opinião é devoção óbvia, esconde algo completamente diferente.

Não, meus amigos, é muito mais saudável se vocês disserem: "Mesmo que, ocasionalmente, minhas decisões dêem errado, eu ajo de acordo com minha melhor habilidade, tentando considerar todos os envolvidos, tomando minhas decisões com o mínimo de egoísmo possível, mas com a premissa saudável de que devo ser considerado tanto quanto qualquer outra pessoa. Sei que sou um ser humano limitado e, portanto, estou fadado a cometer erros. Estou disposto a pagar o preço de aprender com meus possíveis erros. Na verdade, evitando decisões, eu apenas tentaria evitar pagar o preço de viver. ” Isso é saudável.

Não é saudável deixar que Deus tome as decisões por você, de modo que você seja isento das consequências de suas decisões, de suas consequências e da responsabilidade envolvida em tomá-las.

Esse esquecimento da responsabilidade - pois é isso que significa - é tão errado quanto as ações obstinadas nas quais alguém simplesmente segue em frente sem consideração por outra pessoa. Na verdade, a falta de tomada de decisão freqüentemente produzirá os mesmos resultados que as decisões imprudentes, descuidadas e egoístas que são feitas sem reflexão posterior.

É um erro completo acreditar que as decisões independentes são necessariamente egoístas e obstinadas. É igualmente errôneo que a recusa de tomar decisões, sob a máscara de “esperar a vontade de Deus”, carece de egoísmo e obstinação.

Pode ser muito mais obstinado, de maneira oculta, recusar-se a tomar decisões; pode até ser desonesto dizer: “É meu desejo que a vontade de Deus decida por mim”. Não estou dizendo que sempre que uma pessoa diz isso, a motivação deve ser uma desonestidade básica. Não existe preto ou branco. Os motivos de Deus sempre se misturam aos errados ou enfermos.

Certamente, um verdadeiro desejo de cumprir a vontade de Deus pode coexistir com uma certa covardia e recusa em assumir responsabilidade própria. Estou apenas apontando que é possível usar uma verdade espiritual para racionalizar a fraqueza e a doença da alma.

PERGUNTA: Tomar uma decisão é uma manifestação de livre arbítrio ou o resultado natural da lei da causalidade?

RESPOSTA: Os humanos foram dotados de livre arbítrio, ao contrário dos seres ainda em um grau inferior de desenvolvimento, como os animais ou as plantas. O livre arbítrio implica na habilidade e responsabilidade de tomar suas próprias decisões. Certamente é aconselhável confiar em Deus e pedir orientação e não tomar decisões sem pedir ajuda a Deus.

Quando você pede orientação e espera que ela se manifeste através de vários canais, ao mesmo tempo usando seu próprio cérebro, decência e responsabilidade, você também está usando seu livre arbítrio. Pedir orientação já implica certa flexibilidade, falta de vontade própria.

Portanto, peça orientação com humildade, sabendo que nem sempre você saberá as respostas certas, mas percebendo que tem responsabilidade própria e, portanto, é responsável por suas decisões, sejam elas certas ou erradas. É inevitável na vida de cada ser humano tomar algumas decisões erradas, mas você certamente deve aprender com elas. Isso é tão difícil de entender?

 

105 PERGUNTA: Tentei explicar o que você nos explicou sobre o espírito e o livre arbítrio a duas pessoas - uma muito religiosa e a outra um cientista. Eles então perguntaram se Deus é onisciente e amoroso, então ele também conhece o futuro. Se ele conhece o futuro, ao mesmo tempo que nos deu o livre arbítrio, deve saber o que faremos com ele. E isso eu não posso responder.

RESPOSTA: Em primeiro lugar, o futuro é um produto do tempo. E o tempo é um produto da mente. Portanto, na realidade, o futuro não existe. Assim como o passado não existe. Sei que isso é impossível para a maioria das pessoas entender. Fora da mente, existe o ser - isto é, nenhum passado, presente ou futuro, apenas agora. Isso pode, na melhor das hipóteses, ser vagamente percebido, pelo sentimento, em vez do intelecto.

Além disso, esta questão surge do mesmo equívoco completo que descrevi nesta mesma palestra [Aula # 105: O Relacionamento da Humanidade com Deus em Vários Estágios de Desenvolvimento] no sentido de que mostra o conceito de Deus que age, faz. A criação, no verdadeiro sentido, não é uma ação, e certamente não é uma ação com limite de tempo. Quando Deus criou o espírito, está fora do tempo, fora da mente, no estado de ser. Cada espírito é, neste sentido, semelhante a Deus e cria sua própria vida. Deus não tira ou adiciona.

Além disso, tenho que acrescentar: é completa ilusão do homem acreditar que a dor e o sofrimento são terríveis em si mesmos. Por favor, tente entender o que estou dizendo. O medo desordenado do sofrimento do homem é totalmente irreal e, novamente, um produto da mente, um erro. O homem teme a dor e o sofrimento principalmente porque acredita que não tem nada a ver com isso, que pode vir sem que ele seja responsável por isso.

Em outras palavras, é uma coincidência injusta ou caótica. Mas uma vez que ele percebe que toda dor que experimenta é devido à sua própria evasão da verdade e da realidade; uma vez que ele não apenas entende isso como um princípio, mas realmente conecta os elos, ele não terá mais medo disso. Ele verá a chave, muito antes de começar a usá-la. Ele não mais se protegerá contra a suposta arbitrariedade da vida contra a qual se sente impotente. Assim, seu sofrimento assumirá um aspecto inteiramente novo e se tornará produtivo.

Isso, então, fará o homem ver que o sofrimento real não é tão assustador quanto seu medo e atitude em relação a ele. Em certo grau, muitos de vocês já experimentaram isso. Você experimentou que, quando teme algo antes que aconteça, é muito pior do que quando realmente passa por isso.

E você também experimentou como suas dores assumem uma nova face, uma vez que você entende completamente como você as criou. Se você observar essa cadeia de eventos internos, abstendo-se do perfeccionismo, moralizando e justificando, a dor recua instantaneamente, embora a situação externa possa permanecer a mesma.

Quando você realmente aceita sua realidade, também pode aceitar a imperfeição da vida como tal. Sem rebelião contra a imperfeição, muitos padrões se transformam e você causa menos sofrimento para si mesmo. Mas sua expectativa consciente ou inconsciente de que a vida deveria ser perfeita faz com que você se rebele, resista e erga barreiras que causam mais imperfeição e sofrimento do que a vida de outra forma conteria. Portanto, é a sua atitude em relação ao sofrimento, à vida, à sua posição na vida e em relação a si mesmo, que determina como você experimenta o sofrimento.

Se a atitude do homem em relação ao sofrimento não fosse tão distorcida como normalmente é, ele descobriria que os problemas que tem de resolver para conquistar a mente e a matéria são belos. Eles são as coisas mais bonitas da sua vida na Terra. Somente vencendo sua própria resistência e cegueira, sua falta de consciência de si mesmo, você experimentará a beleza da vida, quer em um momento você passe por períodos difíceis, quer em outros, você experimenta felicidade e realização.

Quando o homem se aproxima desse entendimento, uma pergunta como essa nunca poderia ser feita. É tão confuso, contém tanta cegueira e falta de consciência da realidade, mostra tal imaturidade espiritual, que nem pode ser respondido de qualquer forma que faça sentido para o questionador.

Você não pode compreender com a mente o que está além do reino da mente. Para isso, é necessária outra faculdade. Mas, enquanto a existência de tal faculdade for negada, como você pode fazer a pessoa levar a um eventual entendimento?

A questão também contém um conflito eterno na humanidade, conflito em conceitos religiosos. Por um lado, o homem postula que Deus é um Pai onipotente que age à vontade; que o recompensa se você obedecer às suas leis; que o orienta sem sua participação ativa em sua própria vida interior, desde que você o peça com humildade.

Por outro lado, postula-se que o homem tem livre arbítrio; que ele molda seu próprio destino; que ele é responsável por sua vida. Embora a religião ensine o último, ela simultaneamente prejudica a livre decisão e a responsabilidade própria, ao forçar o homem a obedecer a certas regras prescritas. Entre esses dois conceitos aparentemente mutuamente exclusivos, o homem se confunde. A pergunta que você fez é um exemplo típico de tal confusão.

Um Criador onipotente e a responsabilidade própria do homem só são mutuamente exclusivas quando vistos no tempo e da mente, quando este Criador onipotente é percebido como agindo como o homem, no tempo, a partir da mente. Você ainda não precisa estar no estado de consciência para poder sentir que, na realidade, no estado de ser, não há conflito entre os dois. Basta enfrentar a si mesmo sem resistência, sem a pretensão de ser mais do que é, sem se esforçar para ser mais perfeito do que, neste momento, por acaso é.

Cada aspecto individual que você vê em si mesmo em tal liberdade, coloca você, naquele momento, em um estado de ser, e você percebe interiormente a verdade de Deus como ser, sem contradições do tipo que você perguntou em sua pergunta. Então você saberá, profundamente, que a responsabilidade própria completa não é exclusiva de um ser supremo. Uma pessoa que não está preparada interiormente não pode entender o que estou dizendo aqui.

A este respeito, gostaria de dizer que pode ocorrer a alguns de vocês porque é que alguns grandes espíritos - no corpo ou sem corpo através de médiuns humanos - transmitiram grande sabedoria, mas seus ensinamentos realmente parecem encorajar um desses estágios temporários que mencionei como uma fase do grande ciclo.

Seus ensinamentos foram adaptados a este estágio ainda imaturo, ao invés de tirar as pessoas dele. Você pode estar se perguntando por que isso acontece. A resposta é que cada estágio deve ser percorrido completamente. Não se pode ser forçado a pular um estágio, caso contrário, algo não assimilado permanecerá na alma e se manifestará em um período posterior.

Suponhamos que tenhamos aqui um grupo de pessoas que não passou pelo desenvolvimento pelo qual você passou nos últimos anos. O que eu diria agora, por exemplo, sobre o relacionamento com Deus, não faria absolutamente nenhum sentido. Uma pessoa que não experimentou, pelo menos em algum grau, a paz da verdadeira autoconsciência sem autocondenação ou autojustificação - tão raramente quanto isso pode acontecer com você - não pode sentir o significado do estado de ser.

Se um grupo está, talvez, apenas entre o segundo e o terceiro estágios deste grande ciclo, um espírito terá que falar de forma que possa ser compreendido. No entanto, ele não mente. Mas, para tal grupo, é humanamente impossível entender mais. Somente trazendo gradualmente um grupo deste estágio para o auto-atendimento, as almas dessas pessoas podem começar a absorver mais verdade, mesmo que a mente não possa acompanhá-la. É por isso que muitas vezes pode ocorrer que ajudantes espirituais, deste ou de outro mundo, pareçam encorajar uma fase da qual você já saiu.

Próximo tópico

Compartilhe